Philomena Augusto da Silva, de 80 anos, estava internada e não ficou sabendo do óbito do filho



© Reprodução/Facebook

A mãe do piloto de helicóptero que morreu no acidente com o jornalista Ricardo Boechat faleceu três dias depois do filho, na quinta-feira (14). Philomena Augusto da Silva, de 80 anos, estava internada por conta de um câncer em fase terminal e não chegou a ser informada da morte do filho Ronaldo Quattrucci, de 56 anos.

A filha do piloto, Amanda Martinez, postou uma homenagem para eles. "Agora vocês estão juntos olhando por nós aí de cima! Vocês eram inseparáveis e tinham um amor incondicional um pelo outro! Quando meu pai estava sofrendo com sua doença terminal, a vida nos surpreende e Deus o levou três dias antes dela", contou.

De acordo com o 'G1', outro filho de Philomena, Rogério Quattrucci, também morreu em um acidente de helicóptero, em 1998. "Oro por vocês e sei que irão guiar e cuidar de nós que ficamos, junto com o tio Rogério. Amo muito vocês e vou amar por toda eternidade", completou a jovem.

O corpo de Philomena foi velado no Cemitério São Paulo, em Pinheiros, na quinta-feira (14). O velório de Ronaldo aconteceu na terça (12), no mesmo local. A missa de sétimo dia de mãe e filho será realizada na próxima segunda-feira (18), às 19h30, na Igreja Cristo Rei, no Tatuapé.

Ronaldo era o piloto do helicóptero que transportava o jornalista Ricardo Boechat na segunda-feira (11). A aeronave caiu na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, e se chocou com um caminhão que transitava pela via.


Por: Notícias ao Minuto.

No sábado (16), o Vaticano anunciou que a Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington (EUA) Theodore McCarrick, de 88 anos



© Reuters

Ontem (17), durante a celebração pública, o papa Francisco pediu orações a todos. Segundo ele, todos devem assumir suas responsabilidades diante de “um desafio urgente do nosso tempo”.

De acordo com o Vaticano, o encontro pretende adotar ações concretas e decisões em nome da justiça e verdade. Em recente discurso ao Corpo Diplomático na Santa Sé, o papa ressaltou que "abusos contra menores" constituem um dos piores e mais vis crimes possíveis.


O presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, cardeal Seán O'Malley, disse que a reunião marcará o momento de desenvolvimento de um caminho claro para a Igreja, baseado em verdade, justiça e maior transparência.

Segundo O’Malley, a conferência "é dirigida principalmente aos bispos", que "têm grande responsabilidade" sobre a questão, mas, ao mesmo tempo, leigos e mulheres "especialistas no campo do abuso darão sua contribuição e ajudarão a entender o que precisa ser feito para garantir transparência e responsabilidade".

Os quatro dias de reuniões serão marcados por temas específicos: deveres e atitudes pessoais dos bispos; a comunidade dos bispos e da sua solidariedade; na terceira etapa, o papa Francisco participa e ao final, uma espécie de balanço do encontro.

Expulsão


No sábado (16), o Vaticano anunciou que a Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington (EUA) Theodore McCarrick, de 88 anos.

O religioso foi acusado de abusos sexuais a menores e seminaristas, informou a assessoria de imprensa da Santa Sé, em comunicado. Com informações da rádio pública do Vaticano


Por: Notícias ao Minuto.

Na média nacional, os preços médios caíram 0,57% na semana passada sobre a anterior, de R$ 4,197 para R$ 4,173



© Marcelo Camargo/Agência Brasil

O valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros recuou em 24 Estados brasileiros, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), compilados pelo AE-Taxas. Houve aumento apenas no Distrito Federal, no Pará e em Sergipe.

Na média nacional, os preços médios caíram 0,57% na semana passada sobre a anterior, de R$ 4,197 para R$ 4,173.

Em São Paulo, maior consumidor do País e com mais postos pesquisados, o litro da gasolina baixou 0,20%, de R$ 3,974 para R$ 3,966, em média.

No Rio de Janeiro, o combustível caiu 0,25%, de R$ 4,712 para R$ 4,700, em média.

Em Minas Gerais houve queda no preço médio da gasolina de 0,98%, de R$ 4,512 para R$ 4,468 o litro.


Por: Notícias ao Minuto.

Documento descarta inalação de monóxido de carbono



© DR

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) sobre a morte de Ricardo Boechat indica que o jornalista morreu em decorrência de um politraumatismo causado pela queda do helicóptero e colisão com o caminhão. A informação é da 'GloboNews'.

O acidente aconteceu na alça de acesso do Rodoanel com a Rodovia Anhanguera, na última segunda-feira (11). O piloto da aeronave, Ronaldo Quattrucci, também morreu e o motorista do caminhão teve ferimentos leves.

O laudo, que a emissora teve acesso, não mostra sinais de fuligem na traqueia nem nos pulmões de Boechat. A concentração de monóxido de carbono no sangue do jornalista também é baixa (menos de 10%). Estes dados indicam que a vítima não morreu por conta da exposição ao gás.

Os traumatismos identificados foram torácico e abdominal, o que caracteriza um politraumatismo.


Por: Notícias ao Minuto.

Bolsa, que saltou mais de 2% no pregão anterior já refletindo o anúncio



© DR

O dólar reagiu a novidades sobre a reforma da Previdência e terminou esta sexta-feira (15) em baixa ante o real.

As negociações com a moeda já tinham sido encerradas quando o governo anunciou, na véspera, que encaminharia proposta para o Congresso com idade mínima de 62 (mulheres) e 65 (homens) e um período de transição de 12 anos.

O dólar comercial fechou em queda de 0,96% nesta sexta, cotado a R$ 3,704.

A Bolsa, que saltou mais de 2% no pregão anterior já refletindo o anúncio, terminou no vermelho, conforme investidores embolsaram lucros à espera de mais detalhes sobre o texto.

O Ibovespa recuou 0,50%, a 97.525 pontos, puxado para baixo por ações do setor de educação, que despencaram após o governo anunciar investigações no Ministério da Educação.

A expectativa é de que o texto seja assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e encaminhado ao Congresso em 20 de fevereiro.

Os detalhes divulgados na quinta-feira (14) foram bem recebidos pelo mercado. O texto que será apresentado pela equipe econômica ao Congresso é mais duro do que o proposto pelo governo do ex-presidente Michel Temer, que previa as mesmas idades mínimas, mas um período de transição mais longo, de 20 anos.

Analistas apontam, no entanto, que informações importantes ainda não foram divulgadas, como serão as classes profissionais englobadas pela reforma. Além disso, resta saber quanto do texto original será preservado após negociações com o Congresso para sua aprovação.

O mercado monitora ainda a crise política envolvendo o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, após denúncias de esquema de candidatos-laranja dentro do PSL. A situação poderia atrasar o andamento da reforma no Congresso.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) alertou na véspera que a crise envolvendo Bebianno pode prejudicar a negociação sobre a Previdência.

Pessoas próximas aos ministros confirmaram à Folha de S.Paulo que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) havia pedido a suspensão da exoneração de Bebianno do governo federal.

No front externo, declarações de autoridades da China e dos Estados Unidos de progresso e consenso sobre pontos cruciais nas negociações comerciais também animaram o mercado, alimentando o apetite por risco.

As conversas serão retomadas em Washington na próxima semana. O presidente americano Trump admitiu que o prazo para entrada em vigor de maiores tarifas contra importações chinesas, previstas para 1º de março, pode ser prorrogado. Com informações da Folhapress.


Por: Notícias ao Minuto.

Inquérito policial não deve apontar responsabilizações criminais, segundo delegado



© Reuters

O helicóptero que transportava o jornalista Ricardo Boechat, de 66 anos, sofreu uma pane mecânica antes de cair na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, apontam informações preliminares da Polícia Civil. O inquérito policial não deve responsabilizar criminalmente nenhum dos envolvidos. O piloto Ronaldo Quattrucci, de 56 anos, também morreu no acidente.

A queda aconteceu na última segunda-feira, 11. "Houve uma pane mecânica. Quer dizer, não há de se falar que o cara ia por um remold lá no motor ou sei lá onde, montar na aeronave e subir", afirmou ao Estado o delegado Luiz Roberto Hellmeister, responsável pelo inquérito na Polícia Civil. Os investigadores aguardam laudos para confirmar as circunstâncias do acidente.

Quattrucci era sócio majoritário da empresa RQ Serviços Aéreos Especializados, com sede em São Paulo. "Ele era dono da aeronave e único piloto da empresa. Ficou comprovado por profissionais da área que ele fez todo procedimento de pouso de emergência", disse Hellmeister.

Para o delegado, as investigações, até o momento, apontam para possível responsabilidade administrativa - e não criminal - de pessoas vinculadas à empresa. Dois dias após a tragédia, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu a RQ Serviços Aéreos por haver "indícios" que ela prestava serviços de táxi-aéreo sem autorização.

A versão foi confirmada à Polícia Civil nesta sexta-feira, 15, pelo filho e sócio do piloto, o nutricionista Rodrigo Quattrucci, de 23 anos, detentor de menos de 2% das ações da RQ Serviços Aéreos. Segundo as investigações, ele só teria ido quatro vezes na empresa desde a fundação, em março de 2004.

Na delegacia, ele informou que a aeronave não tinha seguro. Havia apenas seguro para os tripulantes, que teria sido posto à disposição de familiares das vítimas e do motorista do caminhão em que o helicóptero colidiu.

Boechat morreu por politraumatismo


Laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que Boechat morreu em decorrência de politraumatismo provocado pela queda do helicóptero. De acordo com o documento, o jornalista sofreu traumatismos torácico e abdominal, "caracterizando politraumatismo, com carbonização secundária".

O exame não apontou indícios de que Boechat inspirou fuligem ou fumaça antes de morrer. "(Foi detectada) uma concentração abaixo de 10% de carboxihemoglobina (intoxicação por monóxido de carbono) no sangue, o que indica que a vítima já se encontrava em óbito antes da exposição ao gás", afirma o laudo. O corpo do jornalista foi reconhecido pela arcada dentária.


Por: Notícias ao Minuto.

Moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem ajustar relógios em 1 hora



© Agência Brasil

Odiado por uns, amado por outros, o horário de verão 2019 chega ao fim neste domingo, 17. Isso significa dizer que à meia-noite de sábado, 16, para domingo, o relógio deve retornar para 23 horas. A medida começou a valer em 4 de novembro de 2018.

  
Moradores de Estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Distrito Federal - locais onde o horário de verão opera - ganharão uma hora a mais no sábado.

Com o fim do horário de verão 2019, o Nordeste do País volta a ficar com o mesmo horário de Brasília. Já o leste do Amazonas e os Estados de Roraima e Rondônia ficam com uma hora a menos; enquanto o Acre e o oeste do Amazonas, duas horas atrás.

A depender das configurações, a alteração nos relógios pode ser automaticamente feita pelas operadores de telefonia. Mas é preciso ficar atento e checar se de fato os aparelhos celulares tiveram o horário atualizado.

O término do horário de verão ocorre pouco mais de três meses após a implementação da medida.

Ônibus de São Paulo


A São Paulo Transporte (SPTrans), autarquia que administra os ônibus municipais da capital paulista, informa que as linhas que operam até a meia-noite funcionarão até as 23h59 no sábado, dia 16.

O Serviço Noturno, que normalmente opera a partir de 0h, neste sábado começará a circular quando os relógios forem atrasados em uma hora e marcarem 23h, já no novo horário.

Nesta madrugada, de sábado para domingo, dia 17, o Noturno vai operar cinco horas, uma hora a mais que o habitual. Essa medida será adotada para garantir atendimento a todos os usuários do sistema municipal de transportes.


Quais Estados adotam o horário de verão?


A data chegou a ser adiada após um pedido do Ministério da Educação (MEC) para que a mudança de horário não prejudicasse as provas, mas na última segunda-feira, 15, o Palácio do Planalto informou que a data oficial para o início do horário de verão será o dia 4 de novembro.

O Nordeste volta a ficar com o mesmo horário de Brasília. Já o leste do Amazonas e os Estados de Roraima e Rondônia ficam com uma hora a menos; enquanto o Acre e o oeste do Amazonas, duas horas atrás.

Qual foi a relação entre o horário de verão e o Enem?


Inicialmente, um decreto previa que o horário de verão começasse a partir da meia-noite do terceiro domingo de outubro de 2018, dia 21. No entanto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) solicitou que a mudança não coincidisse com o segundo turno das eleições deste ano, marcado para 28 de outubro.

Um decreto do dia 15 de dezembro do ano passado definiu o início do horário de verão para o primeiro domingo de novembro, 4, a mesma data do primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Por que existe e quando foi criado o horário de verão?

Criado com a finalidade de economizar energia e aproveitar o maior período de luz solar durante os meses mais quentes do ano, quando os dias também são mais longos, a medida foi adotada no Brasil pela primeira vez em 1931 e adotada em caráter permanente a partir de 2008.

Como é definida a duração do horário de verão?


A decisão ocorre por decreto presidencial publicado no Diário Oficial da União.

O horário de verão 2019 foi o último ou continuará nos próximos anos?
 


Em 2017, o presidente Michel Temer chegou a estudar acabar com o horário de verão. O motivo é a mudança no padrão de consumo de energia da população, cujo pico de consumo passou a ser entre 14 horas e 15 horas. A constatação foi do Operador Nacional do Sistema (ONS). Antes, era das 17 horas às 20 horas, o que justificaria a manutenção da medida.

Mesmo assim, o ministro de Minas e Energia à época, Fernando Coelho Filho, encerrou a polêmica e preservou a prática. Filho anunciou ainda que seria feita uma consulta à população para avaliar a continuidade do horário de verão.

Este ano, caberá ao governo do presidente Jair Bolsonaro decidir se o horário de verão continuará ou não. Com informações do Estadão Conteúdo.


Por: Notícias ao Minuto.

Saída do ministro será formalizada na segunda-feira (18), com publicação no Diário Oficial, afirmam aliados



© José Cruz/Agência Brasil

Chamado publicamente de mentiroso pelo presidente Jair Bolsonaro em meio à crise das candidaturas laranjas do PSL reveladas pela Folha de S. Paulo, o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência) não conseguiu respaldo para seguir no cargo, após uma série de negociações que envolveram ministros palacianos nesta sexta-feira (15).

Bolsonaro, após se reunir com Bebianno, avisou a ele e a aliados sobre a demissão -e que a saída do ministro poderá ser formalizada na segunda-feira (18), segundo informou a coluna Painel, da Folha de S. Paulo. Já Bebianno, que presidiu o PSL durante a campanha vitoriosa de Bolsonaro, também avisou a aliados que deixará o cargo. Abordado pela reportagem no hotel onde mora, em Brasília, disse que não daria declarações.


Por: Notícias ao Minuto.

Mudança de local para o cumprimento da sentença do petista volta a ser aventada após condenação no caso do sítio de Atibaia



© Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Alvo de pressões políticas, a decisão sobre a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da cela especial montada na sede da Polícia Federal em Curitiba só sai após decisão do Supremo Tribunal Federal, marcada para abril, sobre a execução da pena após condenação em segunda instância.

Apesar disso, autoridades envolvidas no caso já especulam sobre os possíveis destinos do ex-presidente. Uma das possibilidades é a federalização de uma área em um presídio estadual. Outra possibilidade é a remoção de Lula para uma sala de Estado-Maior em uma unidade militar, em São Paulo, próximo de seu domicílio, ou em Curitiba, no quartel do Exército, localizado no bairro Pinheirinho, área central da cidade.

A transferência de Lula voltou ao debate político nos últimos dias, após a segunda condenação do ex-presidente na Operação Lava Jato, no caso do sítio de Atibaia (SP). Políticos da bancada anti-PT e aliados do governo Jair Bolsonaro (PSL) cobraram a remoção do petista, após a juíza Gabriela Hardt decretar mais 12 anos e 10 meses de prisão à sua pena que era de 12 anos e 1 mês.

Nos dias que precederam a condenação circulou uma mensagem nos grupos de WhatsApp do PT dizendo que já havia uma cela reservada para o ex-presidente na Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Isso fez acender a luz de alerta no partido. Em Pinhais, Lula seria submetido a um regime de preso comum, conviveria com outros detentos, não teria direito a visitas privadas, algo que não está previsto nas hipóteses estudadas até aqui.

Vários fatores além do julgamento no STF influirão nessa decisão, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo. A confirmação ou não da nova sentença pela segunda instância da Lava Jato, a identificação de um local com condições de segurança e estrutura para o regime especial que o petista tem direito e a vontade do próprio condenado devem ser considerados.

Aliados de Lula se recusam a comentar a possibilidade de transferência. "A única hipótese que avaliamos é a de Lula sair de Curitiba e voltar para casa, livre", disse o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

O ex-presidente já disse a mais de um visitante que não gostaria de sair da PF em Curitiba. Sua defesa já se manifestou em 2018 sobre o assunto: não quer sair de sua cela especial na PF. Mas, se tiver de ser removido, que seja para uma sala de Estado-Maior em unidade das Forças Armadas em São Paulo, perto de sua residência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Por: Notícias ao Minuto.

Ingredientes brasileiros surpreenderam público da competição



Vincent Poillet/REA/Apex-Brasil/Divulgação

Com ingredientes como raízes da floresta amazônica, tucupi preto, puxuri (tipo de condimento nativo), tapioca hidratada e leite de coco, o Brasil participou do maior concurso da alta gastronomia mundial: o Bocuse d’Or, que aconteceu em Lyon, na França.

O Brasil esteve entre os 24 finalistas da competição, que reuniu o melhor da culinária mundial no final do mês passado. Para demonstrar que os sabores brasileiros podem agradar diferentes tipos de paladar, os cozinheiros da equipe brasileira e um time estrelado elaboraram receitas inéditas e interagiram com o público.

Ao mesmo tempo em que os chefs participavam da competição, a poucos metros de onde a equipe comandava facas e panelas, dez empresas brasileiras mostravam o diferencial dos ingredientes nacionais para a alta gastronomia aos cerca de oito mil compradores internacionais na Sirha – principal feira internacional para profissionais de food service e hotelaria – em que as melhores companhias do mundo disputam a atenção dos consumidores.

 Negócios


Com sucesso de público em cada apresentação dos chefs, as empresas brasileiras estimam que os contatos de negócios feitos no Bocuse d’Or devam render cerca de US$ 4,5 milhões ao país nos próximos 12 meses.

“O mais importante é fazermos os contatos. A cada evento, os clientes vão provando, conhecendo as diversas formas de usar os produtos, e se encantando aos poucos com os ingredientes que oferecemos”, explica Fernando Arruda, gerente de Exportação de uma empresa que levou para a competição a tapioca hidratada, um dos produtos mais requisitados por quem buscava novidades, junto com o açaí, as polpas de fruta e os alimentos cozidos e embalados a vácuo.

“O Brasil já é um grande exportador de alimentos, mas agora queremos aumentar as vendas internacionais de produtos com valor agregado. Esta é a primeira vez que o Brasil participa da vertente de negócios da Sirha com resultados muito bons”, explicou Camila Meyer, analista de Negócios da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). 

Segundo Camila, ações como esta, para públicos especializados, servem não só para mostrar a gastronomia brasileira, mas também para provar que os ingredientes diferenciados podem transformar pratos tradicionais em "algo único".

Brasil


A Apex apoiou os chefs que representaram o Brasil no concurso e organizou a participação das empresas brasileiras no evento. A próxima edição da feira ocorrerá em janeiro 2021, sempre em Lyon, na França, que é um dos principais centros da gastronomia mundial, com presença brasileira já confirmada.

“A diversidade de clima e biomas que o Brasil possui faz com que nós, cozinheiros, possamos contar com um manancial fantástico de produtos diferenciados para que o Brasil leve às mesas do mundo inteiro essa riqueza de sabores que temos a oferecer”, disse o chef Guga Rocha, que preparou um prato de mandioquinha com feijão, castanha de caju, salada de folhas e um toque de vinagre aromatizado com frutas amazônicas no estande do Brasil.


Por: Agência Brasil.

Mandados foram cumpridos em Minas, Rio e São Paulo



Adriano Machado/Reuters/Direitos reservados

Oito funcionários da mineradora Vale foram presos temporariamente hoje (15) em uma operação deflagrada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), com o apoio das polícias civis e militares dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Os alvos dos mandados de prisão cumpridos nesta manhã são suspeitos de responsabilidade criminal pelo rompimento da Barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho. Entre os presos estão quatro gerentes e quatro técnicos diretamente envolvidos na segurança e estabilidade do empreendimento. Todos ficarão detidos por 30 dias e serão ouvidos pelo MPMG em Belo Horizonte. Além dos crimes de homicídio qualificado, eles poderão responder por crimes ambientais e falsidade ideológica.

Estão sendo cumpridos ainda 14 mandados de busca e apreensão nos três estados, incluindo a sede da empresa Vale no Rio. Foram levados pelos agentes computadores e documentos em diferentes endereços.

Também são alvos dos mandados de busca e apreensão quatro funcionários da empresa alemã Tüv Süd, que prestou serviços de estabilização da barragem rompida para a Vale, entre eles, um diretor.

"Os documentos e provas apreendidos serão encaminhados ao MPMG para análise. De acordo com os promotores de Justiça, as medidas estão amparadas em elementos concretos colhidos até o momento nas investigações conduzidas pela força-tarefa e são imprescindíveis para a completa apuração dos fatos", diz a nota do MPMG.

Em nota, a Vale informou que continua colaborando com as autoridades responsáveis pelas investigações. “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas.”

Há duas semanas, o MPMG, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal conduziram outra ação em decorrência do rompimento da barragem de Brumadinho, que resultou na prisão temporária de três funcionários da Vale responsáveis pelo empreendimento e dois engenheiros terceirizados que atestaram a segurança da barragem. Eles já foram liberados.


Por: Agência Brasil.

Decisão foi tomada após reunião com a equipe econômica, na tarde desta quinta-feira (14)



© Alan Santos/PR - Flickr Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta quinta-feira (14) que a nova reforma previdenciária estabelecerá idades mínimas de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

Em reunião com a equipe econômica, ficou estabelecido que haverá um período de doze anos de transição para se chegar aos pisos para recebimento da aposentadoria.

A confirmação foi feita pelo secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho. Segundo ele, a equipe econômica defendeu uma única idade mínima para homens e mulheres de 65 anos, o que foi recusado pelo presidente. As idades foram antecipadas pela Folha de S.Paulo nesta quinta.

"A equipe econômica defendeu a ele 65 anos iguais para os dois gêneros e uma transição de dez anos. Essa era a ideia da equipe. E, após uma negociação com o presidente, o resultado é 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. É uma transição de doze anos", disse.

Marinho ponderou que, apesar da decisão anunciada, o texto do projeto ainda pode sofrer alterações até a quarta-feira (20). Ele será submetido até o dia do anúncio à área jurídica do Palácio do Planalto.

"Hoje o presidente, dentro das informações que recebeu, tomou a decisão final. O texto está pronto e já começa a circular dentro das instâncias internas para ser validado", disse.

Segundo ele, a ideia é que, na quarta-feira (20), Bolsonaro faça um pronunciamento à nação, explicando os detalhes da proposta. O discurso deve ser realizado em cadeia nacional de televisão e rádio.

Ele lembrou que, a princípio, o presidente defendeu uma idade mínima de 60 anos e um período maior de transição, opinião que foi alterada após negociação com a equipe econômica.

"O presidente tem sensibilidade e entende as condições da economia. Ele fez a distinção dos gêneros. E nós conseguimos encurtar um pouco a questão da transição", afirmou.

A expectativa é de que na próxima quarta-feira (20) o presidente assine o texto e, no mesmo dia, ele seja divulgado publicamente e enviado à Câmara dos Deputados.

A reforma da Previdência de Bolsonaro é mais dura do que a versão final do projeto do ex-presidente Michel Temer.

O texto de Temer, após tramitar por comissão especial da Câmara, já poderia ser votado pelo plenário da Câmara e também prevê a criação de uma idade mínima de 65 anos (homens) e 62 anos (mulheres).

Mas essas faixas etárias seriam alcançadas em 20 anos.

Ao encurtar a escalada da idade mínima, o governo tem como objetivo economizar mais no pagamento de aposentadorias, já que as regras para se aposentar ficarão mais rígidas em um período mais curto.

Um integrante da equipe econômica confirmou que, pela proposta de Bolsonaro, os servidores públicos também terão que cumprir as idades mínimas previstas no projeto.

Atualmente, os servidores podem se aposentar com 60 anos (homem) e 55 anos (mulheres).

A intenção é enviar o projeto de lei que aumenta o tempo de serviço mínimo exigido para militares junto com a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que define as mudanças nas regras de aposentadorias para o serviço público e iniciativa privada.

Mas, de acordo com um dos participantes da reunião com Bolsonaro, isso ainda pode ser alvo de discussões, o que poderia adiar a apresentação do projeto de lei referente aos militares. Com informações da Folhapress.


Por: Notícias ao Minuto.

Segundo o hospital, morador da ilha, de 31 anos, teve sangramento intenso, mas está com 'sinais vitais estáveis, lúcido e orientado'



© Reprodução / Nova Cruz Oficial

Um surfista foi mordido por um tubarão na praia da Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha, nesta quinta-feira (4). Ele teve ferimento no rosto, no pescoço e na orelha e foi levado pela mulher ao Hospital São Lucas.

A unidade de saúde informou ao 'G1' que o jovem chegou ao local com sangramento intenso, mas com "sinais vitais estáveis, lúcido e orientado".

Como conta o site, Vinícius trabalha como vendedor de açaí na praia e foi pegar onda ao final do expediente. Segundo a mulher dele, Juliana Cavalcanti, o rapaz foi mordido ao cair sobre um tubarão.

“Meu marido me contou que estava surfando, quando caiu e o tubarão o abocanhou. A mordida pegou no supercílio, orelha, no queixo e no pescoço. Sangrava muito", relatou Juliana.

O pesquisador Léo Veras, do Instituto Tubarões de Fernando de Noronha, analisou os ferimentos e falou com a vítima. Ele explicou ao site que não se trata de um ataque, mas sim de "um erro de identificação, um incidente". "Uma situação clássica que já ocorreu na ilha. Com certeza foi um tubarão da espécie limão, que é menos agressivo, não vê o humano com presa", afirmou o especialista.


Por: Notícias ao Minuto.

Sem conseguir controlar a transmissão da doença e com uma baixa cobertura vacinal, o País tem no momento três Estados com surto em curso



© Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Brasil corre o risco de perder o certificado de erradicação do sarampo, obtido há três anos. Sem conseguir controlar a transmissão da doença e com baixa cobertura vacinal, o País tem no momento três Estados com surto: Amazonas, Roraima e, mais recentemente, o Pará. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, admitiu nesta quinta-feira, 14, haver ainda risco de casos na Bahia, por causa do fluxo de transporte nesse período do ano.

Apesar do número expressivo de registros no País, é ainda baixo o porcentual da população imunizada. Dados preliminares do ministério indicam que metade das cidades não atingiu a meta de cobertura vacinal - igual ou superior a 95%.

No Pará, por exemplo, 83,3% dos municípios não atingiram a meta. Em Roraima, foram 73,3%; no Amazonas, 50%. "Estamos no precipício", disse o ministro, ao se referir à cobertura de vacinas em geral no País. Numa reunião com secretários estaduais e municipais de saúde, observou que a situação é reflexo de uma sucessão de fatores.

O certificado de erradicação é retirado quando se registra a transmissão da doença durante um ano. A data-limite é a próxima segunda-feira, dia 18. A definição do status brasileiro, contudo, será conhecida só dias depois, com a confirmação da doença. Isso geralmente ocorre em um intervalo de até dez dias. Dentro do ministério, porém, o desfecho é dado como certo.

O primeiro caso de sarampo entre brasileiros ocorreu no dia 19 de fevereiro de 2018. Antes dessa data, o País já identificava alguns pacientes doentes - eram imigrantes da Venezuela. Mandetta observou que, se a cobertura vacinal fosse adequada, os casos seriam isolados. Houve, no entanto, surto da doença.

Ele ressaltou que a baixa cobertura vacinal não se resume ao sarampo - e lembrou de difteria e pólio. O ministério planeja uma grande campanha nacional pela vacinação. A ideia é aproveitar a mobilização contra a gripe e atualizar cadernetas. A ideia é de que esse anúncio seja feito para marcar cem dias do governo Jair Bolsonaro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Por: Notícias ao Minuto.


Uma leve neblina sob o céu nublado já se fez perceber desde a tarde da terça-feira (12), no Bairro do Recife


[610] Chuva na rua Prof. Jerônimo Gueiros, no Arruda
Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco
A Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) indica possibilidade de chuva forte a moderada na Região Metropolitana do Recife, Mata Sul, Mata Norte e Agreste. As possíveis precipitações são resultado da influência do sistema ciclônico VCAN (Vórtice Ciclônico de Alto Nível), que se desloca sobre Pernambuco até o fim da quarta-feira (13).

O VCAN atua fazendo com que o ar seco de níveis mais altos da atmosfera desça para a superfície, influenciando na precipitação da área. A região Nordeste é comumente influenciada pelo sistema. Segundo a Apac, a maior possibilidade de influência no Estado, causando a chuva, deve ocorrer no período entre a madrugada e fim da manhã desta quarta-feira.

A Defesa Civil do Recife orienta que, em caso de necessidade, moradores de locais de risco procurem abrigos seguros. O órgão também atenta que mantém um plantão permanente, podendo ser acionado pelo telefone 0800.081.3400, a ligação é gratuita.

Por: Folha de Pernambuco.

O velório, aberto ao público, começou por volta da meia-noite desta terça (12) e foi até as 14h



Apresentador Fernando Rocha, da TV Globo
© AGNEWS

A cerimônia de cremação do corpo do jornalista Ricardo Boechat terminou por volta das 16h30 desta terça-feira (12) no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. A cerimônia privada foi acompanhada por familiares e amigos de Boechat e durou 30 minutos.

O jornalista Ricardo Boechat, 66, morreu após a queda de um helicóptero em São Paulo nessa segunda-feira (11).

VELÓRIO


O corpo de Ricardo Boechat foi velado no MIS (Museu da Imagem e do Som), na zona sul da capital paulista.

O velório, aberto ao público, começou por volta da meia-noite desta terça (12). O caixão chegou ao museu às 23h20 e foi carregado até o auditório com a ajuda de familiares. A cerimônia durou até as 14h.

Sob forte comoção, centenas de pessoas, entre políticos, jornalistas, artistas e fãs, prestaram uma última homenagem a Ricardo Boechat. Na chegada do corpo, jornalistas e fãs, que aguardavam a cerimônia, receberam o caixão com uma salva de palmas.

Um dos primeiros a chegar, o presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad, disse que Boechat deixa um grande aprendizado para o jornalismo.

"Quando a gente acabar de apurar este caso, vamos encontrar um fio condutor entre essas tragédias que vêm acontecendo. São sempre coisas que não estão adequadas. Desde uma barragem que não está adequada, um dormitório e de possivelmente um helicóptero que não estava adequado", diz Saad.

Esteve também presente no velório o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Ao lamentar a morte do âncora do Jornal da Band, Doria disse que Boechat foi um grande defensor dos princípios da democracia no Brasil.

"Uma perda muito grande para todos os jornalistas que acreditam no valor da liberdade de imprensa e da qualidade da imprensa brasileira", disse o governador.

O tucano comentou também que foi amigo de Boechat por quase 40 anos e que tinham em comum a paixão pelo futebol -segundo o governador, os dois jogaram bola muitas vezes juntos no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Sobre a personalidade do jornalista, Doria disse que ele era uma figura "fraterna, adorável, amigo dos amigos, solidário e de bons princípios". "Uma pessoa com o sentimento de justiça muito grande. Simples nos seus gestos e de muita grandeza nas atitudes."

Acompanhada das duas filhas e de Mercedes, 86, mãe de Boechat, a esposa Veruska Boechat agradeceu as condolências. "Ele foi o ateu que mais praticava o amor ao próximo", disse a viúva.

O apresentador Otávio Mesquita também esteve no local e contou como era a relação com Boechat na Bandeirantes. "Às vezes ele me ligava e falava: 'Otávio, eu vi o teu programa ontem, você fez isso, aquilo'. A gente tinha uma relação muito divertida porque o meu lado cômico excessivo tem um pouco a ver com o dele. Eu devo muito a ele."

Para a apresentadora Ana Paula Padrão, "poucos jornalistas honraram tanto a profissão e levaram tão longe o compromisso de fazer do jornalismo um bem precioso, comum, um bem da sociedade, um bem de todos nós". Ela destacou que, em tempos de fake news, "precisamos de outro Boechat. A gente precisa de jornalismo levado muito a sério".

A colega de bancada Sheila Magalhães falou sobre a dificuldade de noticiar a morte de Boechat. "Foi a notícia mais difícil que eu já dei na minha vida, noticiar a morte de um amigo."

Serginho Groisman o definiu como "o jornalista". "Ele encontrou no jornalismo uma possibilidade de expressão popular. Tudo o que a gente queria ouvir como opinião, perguntas, ele fazia em nome do povo brasileiro."

A última entrevista de Boechat na televisão foi para o colega Amaury Jr., que contou que os dois se maquiavam juntos antes de entrarem no ar. Uma de suas últimas conversas foi sobre depressão. "Ele brincava: 'Vamos colocar rivotril na caixa d'água da cidade, porque todo mundo tem algum nível de depressão.'"

"A gente divagava muito, ele me dava muitos conselhos. Eu sempre o tive como mestre", disse Amaury, destacando como uma das principais qualidades do jornalista sua obsessão.

Milton Neves brincou com a dualidade do jornalista. "Tenho visto muita foto dele na internet. O cara mais carrancudo de opinião da imprensa brasileira, e em todas as fotos ele está sorrindo."


Colunista da Folha de S.Paulo e companheiro de rádio de Boechat, José Simão fez um discurso emocionado no auditório onde o corpo do jornalista é velado. "O day after é sempre pior", resumiu. "Foi uma química instantânea desde o primeiro dia. Eu tinha aquele humor escrachado. Boechat é carioca da gema, um gozador por natureza. É uma dupla que jamais será retomada."

O jornalista Fernando Mitre também esteve no MIS. Afirmou que há 12 anos começou uma nova fase do jornalismo brasileiro quando Boechat assumiu a ancoragem do Jornal da Band e da rádio BandNews. "Um novo capítulo que estava no auge e que foi interrompido por essa tragédia", afirmou Mitre.

Falou ainda que Boechat era um jornalista completo -quando apurava uma notícia, quando escrevia, quando editava, quando exibia e, principalmente, quando comentava, segundo Mitre. "Perder um jornalista como ele é uma perda irreparável. Não tem como qualificar."

Erick Jacquin e Henrique Fogaça também foram ao velório. "Muito triste. Não dá para acreditar ainda. Não caiu a ficha. Hoje fiquei o dia todo abalado", disse Fogaça.

O administrador Gustavo Batista Camilo Aguilar do Prado, 42, veio de Guarulhos, na Grande São Paulo, para acompanhar o velório. Ele se diz admirador do trabalho do jornalista.

Contou que em novembro de 2014 mandou uma mensagem de texto para Boechat -em um número de celular que o jornalista divulgava para o público- com uma sugestão de pauta e que, minutos depois, recebeu uma ligação inesperada do jornalista, interessado na história.

Desde então, trocou mensagens com o âncora do Jornal da Band. A última foi em agosto de 2018, que Prado exibe com orgulho, ainda salva no celular.

O ACIDENTE


Segundo testemunhas relataram ao Corpo de Bombeiros, a aeronave Bell Jet Ranger, um modelo de 1975, tentou fazer um pouso de emergência em uma alça de acesso do Rodoanel à rodovia Anhanguera, na altura do quilômetro 7, sentido Castelo Branco, próximo a um pedágio -local das vias com menos fluxo de veículos.

Na descida, no entanto, ela se chocou com um caminhão que tinha acabado de sair do pedágio, na faixa do Sem Parar (pedágio expresso). Não se sabe ainda qual o problema que a aeronave apresentou, mas foi a colisão que fez o helicóptero pegar fogo.

O motorista do caminhão foi socorrido e teve ferimentos leves, segundo a Polícia Militar.

De acordo com a Abraphe (Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero), o piloto tinha experiência de quase duas décadas como comandante e "seguiu à risca as doutrinas de segurança até o último momento, na tentativa de preservar a vida da tripulação a bordo do helicóptero".


Por: Notícias ao Minuto.

Cantora foi diagnosticada com câncer de fígado no ano passado



© Reprodução / Instagram

Deise Cipriano, cantora do grupo Fat Family, morreu aos 39 anos na tarde desta terça-feira (12) aos 39 anos. Ela estava internada para tratamento de câncer no aparelho digestivo no Instituto do Câncer, em São Paulo. A informação foi confirmada pelo próprio instituto.

Desde agosto de 2018, a cantora fazia tratamento contra um câncer no fígado sendo internadas por duas vezes na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). No Natal, Deise deixou a unidade de terapia e passou com a família.

Nesta segunda (11), Deise começou a sentir náuseas e estava com dificuldade para se alimentar. Ela foi internada na UTI do Instituto do Câncer de São Paulo. Em 2011, o irmão de Deise, Sidney Cipriano, morreu aos 46 anos em decorrência de um acidente vascular cerebral. Com informações da Folhapress.


Por: Notícias ao Minuto.

País divulgou hoje a posição oficial em relação à crise política



© Andres Stapff/Reuters

Após semanas de impasse e contradições, a Itália se posicionou oficialmente hoje (12) em relação à crise política na Venezuela. Roma disse considerar o governo do venezuelano de Nicolás Maduro "ilegítimo" e pediu novas eleições no país sul-americano. No entanto, evitou reconhecer o deputado opositor Juan Guaidó como o novo líder.

"O governo italiano pede o quanto antes novas eleições presidenciais democráticas na Venezuela", disse o ministro das Relações Exteriores, Enzo Moavero Milanesi, em declaração à Câmara dos Deputados. "O governo está preocupado com a emergência humanitária e está trabalhando para proporcionar soluções não conflitantes. O governo considera inaceitável e condena firmemente todo o tipo de violência, expressando-se a favor de uma solução pacífica", declarou o chanceler.

Segundo ele, "o governo considera que as eleições presidenciais passadas não atribuem legitimidade democrática a quem venceu, ou seja, a Nicolás Maduro". "As novas eleições presidenciais continuam sendo, para nós, a via para uma solução", garantiu Moavero.

Pela manhã, houve uma reunião no Palácio Chigi, em Roma, no qual os líderes do Movimento 5 Estrelas (M5S) e da Liga Norte chegaram a um consenso sobre a posição a adotar em relação à crise na Venezuela. O acordo foi alcançado em formato de moção, a ser apresentada ao Parlamento italiano.

O texto orienta o governo a "assumir toda iniciativa útil, inclusive nas sedes da União Europeia, até que seja afrontada como prioridade a emergência humanitária e a crise econômica e social, garantindo o fluxo necessário de ajudas, em respeito ao direito internacional". A moção depositada na Câmara é composta de vários pontos, entre eles o empenho do governo de tutelar os italianos residentes na Venezuela e de empresas italianas que operam no país.

O segundo fala da emergência humanitária, enquanto o terceiro condenada "com força qualquer forma de violência, repressão ou conflito armado na Venezuela". A posição oficial do governo da Itália vem após semanas de impasse e discussões entre a bancada governista. De um lado, o "antissistema" Movimento 5 Estrelas (M5S) pedia tolerância com Maduro e não intervenção externa. De outro, o ultranacionalista Liga Norte defendia um apoio enérgico a novas eleições na Venezuela e ao fim do governo do sucessor de Hugo Chávez.

A situação fez com que a Itália recebesse críticas de outros países da União Europeia, que a acusaram de não se posicionar diante de uma crise de tamanha magnitude. Ontem, membros do governo italiano se reuniram com uma delegação enviada por Guaidó, que pede há dias que Roma o reconheça como novo presidente interino. (ANSA)


Por: Notícias ao Minuto.

Proposta será enviada para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ)



© Waldemir Barreto/Agência Senado

O Plenário do Senado Federal decidiu nesta terça-feira (12) desarquivar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 29/2015, que altera o art. 5º da Constituição para determinar a “inviolabilidade do direito à vida desde a concepção”. A concepção ocorre quando o espermatozoide encontra o óvulo dentro da trompa de falópio e o fertiliza, dando origem ao zigoto. A proposta será enviada para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

O desarquivamento se deu com a aprovação de requerimento de autoria do senador Eduardo Girão (Pode-CE). Alguns senadores se posicionaram contra o desarquivamento. O líder do PT, senador Humberto Costa (PE), chegou a apresentar outro requerimento, pedindo a retirada de pauta do pedido de Girão, mas a iniciativa foi derrotada por 61 votos a 8. As informações são da Agência Senado.

Os parlamentares contrários ao desarquivamento alegaram que a mudança poderia revogar as três exceções que já existem na legislação brasileira que permitem o aborto em casos excepcionais: estupro, risco de vida à mãe e anencefalia do feto. Girão garantiu que a intenção da proposta não é essa e disse que o objetivo não é retroceder a legislação, mas sim evitar o “ativismo judicial” em temas polêmicos como esse.

Para Humberto Costa, a questão sobre o aborto é um assunto de saúde pública. Ele disse que as três exceções já previstas não podem ser canceladas. O senador Paulo Rocha (PT-PA) também declarou voto contrário ao desarquivamento. Os senadores Randolfe Rodrigues (AP) e Fabiano Contarato (ES), ambos da Rede, também foram contrários ao desarquivamento.

Por outro lado, diversos senadores apoiaram o desarquivamento da PEC para que o Senado e a Câmara possam debater e analisar o tema para não deixar que o Supremo Tribunal Federal (STF) invada competências do Congresso Nacional. Entre eles, os senadores Major Olimpio (PSL-SP), Marcos Rogério (DEM-RO), Eduardo Braga (MDB-AM), Márcio Bittar (MDB-AC), Otto Alencar (PSD-BA), Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Jorge Kajuru (PSB-GO), Izalci Lucas (PSDB-DF) e as senadoras Simone Tebet (MDB-MS), Eliziane Gama (PPS-MA), Soraya Thronicke (PSL-MS), Daniella Ribeiro (PP-PB) e Selma Arruda (PSL-MT). Simone Tebet ressaltou, assim como a maior parte dos apoiadores do requerimento, que também são contrários a proibição do aborto nos casos já permitidos pela legislação.

Se a PEC for aprovada no Senado e na Câmara, o art. 5º da Constituição passará a ter a seguinte redação: "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida desde a concepção, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade".

A matéria está longe de ter consenso na opinião pública. A iniciativa já recebeu mais de 60 mil votos no portal e-Cidadania, do Senado. Até a publicação desta reportagem, 18.678 pessoas votaram a favor da PEC e 42.891 se posicionaram de forma contrária à mudança proposta. Ainda é possível registrar o voto sobre o assunto no Portal e-Cidadania.


Por: Notícias ao Minuto.

Médicos não informaram, no entanto, previsão de alta; extraoficialmente, existe a possibilidade de que ele possa sair nesta quarta-feira (13)


© Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro "mantém boa evolução clínica" um dia após deixar a Unidade de Terapia Semi-Intensiva, informou boletim médico do hospital Albert Einstein divulgado nesta terça-feira (12).

Os médicos não informaram, no entanto, previsão de alta. Extraoficialmente, existe a possibilidade de que ele possa sair nesta quarta-feira (13).

Bolsonaro está internado há 17 dias para se recuperar de uma cirurgia para a retirada de uma bolsa de colostomia. Sua saída foi postergada pelo diagnóstico, na semana passada, de um quadro de pneumonia.

Segundo o boletim, o presidente não tem febre nem dor abdominal e "o quadro pulmonar encontra-se em resolução".

Desde a véspera o presidente está em um apartamento no hospital. A nutrição parenteral (por via endovenosa) foi suspensa e os médicos introduziram uma dieta leve, que prossegue nesta terça, com uso de suplemento nutricional.

Bolsonaro almoçou sopa, fruta cozida e uma massa. O boletim informa que a alimentação ocorre com "boa tolerabilidade" por parte do presidente.

Ele também continua realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular, alternados a períodos de caminhada.

A hipótese de alta na quarta foi levantada anteriormente pelo ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que visitou Bolsonaro na véspera.

Até o momento, não há informação se o presidente recebeu visita nesta terça. Por ordem médica, elas permanecem restritas.

A alta de Bolsonaro é amplamente aguardada, principalmente por sua equipe econômica e pelo mercado financeiro, porque é ele quem vai bater o martelo sobre o projeto que será apresentado para a reforma da Previdência.

Na segunda, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, disse que a possibilidade de o presidente receber a proposta no hospital está descartada a princípio.

Barros reafirmou que Bolsonaro vai receber o texto assim que estiver com a saúde melhor, mas disse que não poderia garantir que isso ocorreria nesta semana. O porta-voz não fez pronunciamento nesta tarde.

Assim que tiver alta, o presidente receberá da equipe econômica uma versão única da proposta, com pontos que podem ser alterados, afirmou nesta terça-feira (12) o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho.

Segundo Marinho, a proposta será entregue imediatamente após a liberação médica.

"Vamos aguardar apenas a disponibilidade de agenda do presidente. Estamos esperando que ele nos convoque", disse. Com informações da Folhapress.


Por: Notícias ao Minuto.

O líder venezuelano anunciou que aprovará os investimentos necessários para que a Venezuela "possua todo o seu sistema de defesa antiaérea e antimíssil"



© REUTERS

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, começou no último domingo (10) a realizar exercícios militares que vão se prolongar até sexta-feira. No discurso que fez, Maduto voltou a acusar Donald Trump de pretender intervir no país sul-americano.

"Que Donald Trump não nos ameace. Fora Donald Trump da Venezuela, fora as suas ameaças, aqui há força armada e aqui há povo para defender a honra, a dignidade e o decoro de uma pátria que luta há mais de 200 anos", disse numa cerimônia com militares no estado de Miranda, arredores de Caracas.

No seu discurso, transmitido pelo canal estatal VTV, o líder venezuelano anunciou que aprovará os investimentos necessários para que a Venezuela "possua todo o seu sistema de defesa antiaérea e antimíssil".

"Para tornar os nossos lugares e povoações locais inexpugnáveis, inexpugnáveis por ar. Por terra eles não podem se meter porque aqui estão os soldados de Bolívar que fariam pagar caro ao império norte-americano qualquer ousadia de tocar o solo sagrado da pátria venezuelana", prosseguiu, citado pela agência noticiosa Efe.

Estas manobras, que incluem civis e militares, foram convocadas por Maduro após o parlamento, controlado pela oposição, não o reconhecer como presidente legítimo desde janeiro, quando se iniciou o seu segundo mandato após reeleito numa eleição presidencial considerada ilegítima por diversos países, entre eles o Brasil.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente da república interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro, com a missão de realizar eleições presidenciais livres e transparentes.

Guaidó conta com o apoio de cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos e a maioria dos Estados-membros UE, incluindo Portugal.

Os Estados Unidos têm reiterado que consideram todas as opções incluindo a militar, para derrubar o poder "chavista" da Venezuela, argumentando com a greve crise que atravessa o país.

À crise política na Venezuela soma-se a uma grave crise econômica e social, com escassez de bens e serviços essenciais, que levou 2,3 milhões de pessoas a fugir do país desde 2015, segundo dados da ONU. Com informações da Lusa.


Por: Notícias ao Minuto.

Esse tipo de diabetes corresponde a 90% dos casos da doença



© DR

s sintomas da diabetes tipo 2 incluem dores de cabeça severas e sede excessiva. Para reduzir o risco de incidência da doença, deve considerar adicionar este alimento à sua dieta.

  
Esse tipo de diabetes corresponde a 90% dos casos da doença. A condição se caracteriza pelo aumento perigoso e por vezes mortífero dos níveis de açúcar do sangue.

Alterar a dieta é uma das maneiras mais fáceis e rápidas de reduzir os níveis perigosos de açúcar na corrente sanguínea – mas afinal, o que deve ingerir para obter os resultados desejados?

Comer mais leguminosas e legumes pode ajudar a atenuar os sintomas associados à diabetes tipo 2.

As dietistas Sarah Brewer e Juliette Kellow discutem o tópico no seu livro, ‘Eat Better, Live Longer: Understand What Your Body Needs to Stay Healthy’.

As especialistas escrevem: “O feijão frade é entre todos os tipos de feijão a ‘estrela do mundo das leguminosas’ devido ao seu alto teor em fibra, que é importante na manutenção de um peso saudável e para quem sofre de diabetes tipo 2. Adicionalmente, esta variedade é extremamente rica em antioxidantes”.

As mesmas conclusões são reforçadas por um estudo publicado no periódico científico NCBI.

Uma pesquisa apurou que as leguminosas ajudam o corpo a regular os níveis de açúcar, tornando este alimento uma ótima opção para quem sofre com diabetes do tipo 2.

Os participantes envolvidos no estudo consumiram que 200 gramas diárias de leguminosas registraram níveis de insulina mais equilibrados.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, também decidiu verificar se os legumes beneficiam igualmente os pacientes que sofrem com diabetes tipo 2.

Nessa pesquisa, dividiram 121 voluntários em dois grupos distintos – um que foi instruído para comer legumes e outro alimentos integrais.


Os dados apurados, e publicados no periódico Scientific Journal Archives of Internal Medicine, revelaram que se deu uma redução dos valores de açúcar presentes no sangue (hemoglobina A1c) em ambos os grupos.

Apesar disso, conseguirem verificar que o grupo que havia sido instruído a ingerir legumes diariamente alcançou os melhores resultados.


Por: Notícias ao Minuto.

O acidente ocorreu na manhã desta segunda-feira (11)



© Reprodução / TV Band

O jornalista Ricardo Boechat, da TV Bandeirantes e da rádio Band News, morreu na manhã desta segunda-feira (11) em Sâo Paulo. Ele era um dos dois passageiros que estavam no helicóptero que caiu sobre um caminhão no Rodoanel, na região da Via Anhanguera. A outra vítima é o piloto, ainda não identificado.

A informação do óbito foi confirmada pelo governo do estado e pela Bandeirantes.

A concessionária CCR Rodoanel Oeste, responsável pela administração da via, disse ainda que o motorista do caminhão ficou ferido e foi socorrido. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, os corpos ficaram carbonizados. A aeronave era um Bell Helicopter, fabricado em 1975.

Os Bombeiros foram acionados às 12h14. De acordo com jornalistas da TV Band, Boechat estava a caminho de Campinas, no interior do estado de São Paulo, onde daria uma palestra, e voltaria para a capital ainda nesta segunda.

Boechat tinha 66 anos. Antes de trabalhar no Grupo Bandeirantes, ele passou pelos jornais "O Globo", "O Dia", "O Estado de S. Paulo" e "Jornal do Brasil". O jornalista também foi comentarista do telejornal "Bom Dia Brasil", da TV Globo.


Por: Notícias ao Minuto.



Há quanto tempo você não faz uma Revisão da sua Saúde Bucal?

Você sabia que O ITV - Instituto Tavares Vieira: Excelência em Odontologia, disponibiliza para você uma estrutura Moderna, com equipamentos de última geração e uma Equipe de Profissionais Especializados nas mais diversas áreas da Odontologia?
Implantes, Próteses, Endodontia, Periodontia, Odontologia Restauradora, Ortodontia Atendimento Domiciliar, Cirurgia, Estomatologia e Prevenção de Cancer Bucal, etc .

Agende sua consulta e mantenha em dia a sua Saúde!

O ITV REABILITA VIDAS, ALÉM DE SORRISOS!

Fones: 81 32681568 / 99550-5251


Fotos: Ibanez Saueressig 


Em Surubim para participar da assinatura da ordem de serviço para a construção de uma Academia da Saúde em Lagoa da Vaca, o deputado federal Danilo Cabral (PSB) anunciou que a obra na barragem de Jucazinho será retomada. Ao lado da prefeita Ana Célia (PSB), ele disse que, ainda neste mês, terá início a recuperação do vertedouro do reservatório. Orçado em R$ 38 milhões, o serviço é de responsabilidade do DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra a Seca).

“Essa é uma pauta prioritária do nosso mandato. Jucazinho é a maior barragem do Agreste Setentrional, que abastece 15 municípios da região e nós estamos atentos e fiscalizando as ações do governo federal no local”, discursou Danilo Cabral. O deputado lembrou que, ontem, ele protocolou ofício no Ministério do Desenvolvimento Regional, cobrando providências para a realização dos serviços de recuperação do reservatório e apresentou um requerimento de informação, solicitando um detalhamento dos investimentos necessários para Jucazinho.

Segundo Danilo, as duas medidas foram um instrumento de pressão para que as obras possam ser reiniciadas. “Ontem, tivemos uma audiência, em Brasília, para tratar sobre o assunto e recebemos a informação de que as pendências com Tribunal de Contas da União (TCU) foram sanadas e que o DNOCS autorizou a realização do serviço”, destacou.

Em dezembro de 2016, o então presidente Michel Temer assinou as ordens de serviço para a recuperação das estruturas de Jucazinho. A primeira delas, emergencial, de remoção fissura na fachada da barragem, um investimento de R$ 11 milhões, foi feita, permitindo que o reservatório acumule água sem riscos de rompimento. Falta, no entanto, recuperação do vertedouro da barragem e é esse que deve ser iniciada neste mês.

“Estamos confiantes de que a obra sairá do papel e garantirá a segurança de Jucazinho e, principalmente, de todos os moradores da região”, afirmou Danilo. Atualmente, o reservatório está com volume de 3% de sua capacidade.

Ordem de serviço - A Academia da Saúde de Lagoa da Vaca será construída com recursos de emendas parlamentares de Danilo Cabral do Orçamento Geral da União de 2018. Será um investimento de R$ 106.3 mil e beneficiará cerca de cinco mil pessoas. “É um importante equipamento muito importante para melhorar a qualidade de vida da população do município”, disse Danilo. A Prefeitura de Surubim também construirá uma Academia da Saúde no bairro de Santo Antônio através de emendas do deputado. Será um investimento R$ 91.2 mil.

No total, Danilo Cabral já destinou mais de R$ 5 milhões em emendas parlamentares para Surubim ao longo dos seus mandatos. Recursos que devem ser aplicados nas áreas de infraestrutura e saúde.


Por: Assessoria Danilo Cabral.

Fotos: Ibanez Saueressig 

Fotos: Ibanez Saueressig 

Fotos: Ibanez Saueressig 

Arquivo/Agência Brasil

A juíza federal Gabriela Hardt condenou hoje (6) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 12 anos e 11 meses de prisão na ação penal sobre as reformas realizadas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). A sentença é a segunda proferida contra o ex-presidente na Operação Lava Jato.

O sítio foi alvo das investigações da Operação Lava Jato, que apura a suspeita de que as obras de melhorias no local foram pagas por empreiteiras investigadas por corrupção, como a OAS e a Odebrecht.

Segundo os investigadores, as reformas começaram após a compra da propriedade pelos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna, amigos de Lula, quando "foram elaborados os primeiros desenhos arquitetônicos para acomodar as necessidades da família do ex-presidente".

No laudo elaborado pela Polícia Federal, em 2016, os peritos citam as obras que foram feitas, entre elas a de uma cozinha avaliada em R$ 252 mil. A estimativa é de que tenha sido gasto um valor de cerca de R$ 1,7 milhão, somando a compra do sítio (R$ 1,1 milhão) e a reforma (R$ 544,8 mil).

A defesa do ex-presidente alegou no processo que a propriedade era frequentada pela  família de Lula, mas que o imóvel pertence à família Bittar.

Lula está preso desde 7 de abril pela primeira condenação no caso do tríplex em Guarujá (SP). O ex-presidente cumpre outra pena de 12 anos e um mês de prisão, imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 Sentença


Na sentença, a magistrada disse que Lula sabia do esquema de corrupção na Petrobras e que as empreiteiras OAS e a Odebrecht tinham participação nos desvios.

"Luiz Inácio Lula da Silva, como já dito nos tópicos que trataram dos atos de corrupção nos contratos da Petrobras, tinha pleno conhecimento de que a empresa OAS era uma das partícipes do grande esquema ilícito que culminou no direcionamento, superfaturamento e pagamento de propinas em grandes obras licitadas em seu governo, em especial na Petrobras. Contribuiu diretamente para a manutenção do esquema criminoso", afirmou a juíza.

Segundo Gabriela Hardt, ficou comprovado que o ex-presidente recebeu ao menos R$ 170 mil da OAS, por meio das reformas, como "vantagem indevida em razão do cargo de presidente". No entendimento da juíza, ele foi beneficiário direito das reformas, embora não seja o proprietário do sítio.

"Também contribuiu para a ocultação e dissimulação desta, pois, apesar de ser o seu beneficiário direto, seu nome nunca foi relacionado com a propriedade do sítio, com notas fiscais emitidas, ou com qualquer documento a ela relacionado. É fato que diversos co-réus e testemunhas afirmaram que era claro que a obra era feita em seu benefício, inclusive Fernando Bittar. Ainda, guardou em sua casa diversas notas fiscais que foram emitidas em nome de terceiros durante a reforma, reforçando a ciência desta ocultação", disse a magistrada.



Por: Agência Brasil.