Nascido em Serra Talhada (PE), Ivanildo Gomes Nogueira ganhou fama com seu personagem na década de 1990

Batoré faleceu aos 61 anos, em São Paulo (SP) - DIVULGAÇÃO/RECORD TV


O humorista e ator Ivanildo Gomes Nogueira, mais conhecido como Batoré, morreu nesta segunda-feira (10), aos 61 anos.

Batoré morreu na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Pirituba, na zona oeste de São Paulo, confirmou a Secretaria Municipal de Saúde da capital paulista. Segundo informações da Record TV, Batoré chegou com vida à UPA, mas sofreu três paradas cardíacas e não resistiu.

Nascido em Serra Talhada (PE), Ivanildo deixou Pernambuco aos 11 anos de idade, junto dos pais e seus sete irmãos, até chegar a Mauá, na Grande São Paulo.

Ainda jovem, antes de se tornar conhecido por seu personagem mais célebre, Ivanildo teve uma breve carreira no futebol, abreviada por uma fratura no tornozelo, quando atuava pelo Ituano.

Nos anos 1980, teve suas primeiras aparições na televisão no programa Show de Calouros, no SBT. Mas foi na década seguinte, interpretando o personagem Batoré em A Praça é nossa, na mesma emissora, que Batoré ganhou fama nacional com seus bordões "Você é forgaaaado!", "Ah, para, ô!" e "Você acha que é bonito ser feio?".

Em recente entrevista ao Domingo Espetacular, ele contou sobre a origem do personagem. "Eu quis fazer essa homenagem ao Nordeste. E aí eu fiz essa homenagem e graças a Deus é um dos mais queridos”, diz ele.

Em 2008, Ivanildo foi eleito vereador em Mauá com 4.778 votos, e ainda seria reeleito em 2012 no município da Grande São Paulo. No entanto, dois anos depois, a Justiça Eleitoral o afastou do cargo após uma mudança de partido, considerando a manobra como "infidelidade partidária".

Depois da carreira na política, voltou à televisão para interpretar o Delegado Queiróz na novela Velho Chico, na Globo, em 2016. Três anos depois, Ivanildo retornou à Praça é Nossa após 15 anos para interpretar novamente o personagem que o havia tornado conhecido em todo o país.

 Por: R7.Com.

 


Desde o início da pandemia, a Prefeitura de Surubim vem trabalhando para proteger a saúde dos surubinenses. Com a ajuda da população, conseguimos salvar centenas de vidas, mas a luta ainda não foi vencida.  O momento agora, é de preocupação, não só com o coronavírus e sua nova variante, a ômicron, mas também com a gripe Influenza H3N2. Por isso, tomamos a decisão de cancelar o carnaval do nosso município, uma festa que conta com um público de diversas cidades, o que dificultaria as ações e controles sanitários no município.

Nossa meta agora é intensificar os atendimentos e a imunização da população. O nosso maior compromisso continua sendo cuidar da vida da nossa gente!


A medida vem depois do aumento de infeções por covid-19 em embarcações nos últimos dias

© Getty


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária recomendou nesta sexta-feira (31) que o Ministério da Saúde suspenda provisoriamente a temporada de navios de cruzeiro na costa brasileira. A medida vem depois do aumento de infeções por covid-19 em embarcações nos últimos dias.

Nesta sexta-feira, o navio MSC Splendida, atracado no Porto de Santos (SP) e o navio Costa Diadema, atracado em Salvador, interromperam as atividades devido a surtos de covid-19.

Segundo a Anvisa, dados apontam que a variante Ômicron tem o potencial de se espalhar mais rapidamente do que outras variantes e que a proteção imunológica de vacinas e de casos anteriores de covid-19 pode não ser tão efetiva.

A recomendação da Anvisa também considerou que, mesmo diante da elaboração de Planos de Operacionalização para a retomada da temporada de cruzeiros no âmbito dos municípios e estados, estabelecendo as condições para assistência em saúde dos passageiros desembarcados em seus territórios e para execução local da vigilância epidemiológica ativa, na prática têm sido observadas dificuldades impostas pelos entes locais diante da necessidade de eventuais desembarques de casos positivos para covid-19 em seus territórios.

"A manifestação da agência foi pautada no princípio da precaução, ao priorizar o impedimento da ocorrência de agravo à saúde pela adoção das medidas necessárias à sua proteção", disse em nota a Anvisa.

A agência ressalta, porém, que a recomendação não afeta ainda as operações de navios de cruzeiro. "Até decisão final do grupo de ministros, as operações seguem, como regra geral, autorizadas, submetidas às regras sanitárias vigentes", diz a nota, referindo-se à necessidade de uma decisão dos ministérios da Saúde, da Justiça e Segurança Pública e da Infraestrutura para a recomendação entrar em vigor.

Por: Notícias ao Minuto.

Mais cedo, durante a missa na Basílica de São Pedro em homenagem à Virgem Maria, Francisco fez uma homilia na qual chamou a violência contra as mulheres um insulto a Deus


© Getty Images


O Papa Francisco aconselhou o mundo neste sábado, 1º, a "arregaçar as mangas" pela paz em sua mensagem de Ano Novo, na qual pediu aos fiéis que sejam positivos e trabalhem para construir uma sociedade melhor.

No 55º Dia Mundial da Paz, o pontífice dedicou seu discurso para encorajar o fim da violência e disse à multidão reunida na Praça de São Pedro para manter a paz em seus pensamentos.

"Vamos voltar para casa pensando em paz, paz, paz. Precisamos de paz", disse o papa após a oração do Angelus. Sob um céu ensolarado, Francisco lembrou aos fiéis que a paz exige "gestos concretos", como perdoar os outros e promover a justiça.

Mais cedo, durante a missa na Basílica de São Pedro em homenagem à Virgem Maria, Francisco fez uma homilia na qual chamou a violência contra as mulheres um insulto a Deus.

"Quanta violência existe contra a mulher! Chega! Machucar uma mulher é ultrajar a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher", disse. Francisco dedicou a sua homilia às mulheres e mães, e disse que são elas que "conseguem manter juntos o sonho e o concreto, evitando desvios do pragmatismo asséptico e da abstração". As mães, continuou, "sabem como manter unidos os fios da vida" e, portanto, são essenciais no mundo de hoje, pois são "capazes de tecer fios de comunhão, que se contrapõem aos arames farpados das divisões, que são tantos".

(Com agências internacionais)

Por: Notícias ao Minuto.

A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

© Shutterstock


Começa a valer, a partir deste sábado (1º), primeiro dia do ano de 2022, o novo valor do salário mínimo no Brasil, que passa a ser de R$ 1.212 por mês. A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

O novo valor considera a correção monetária pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) de janeiro a novembro de 2021 e a projeção de inflação de dezembro de 2021, estimada pela área técnica do Ministério da Economia. No total, o aumento será de 10,18% em relação ao valor anterior, que era de R$ 1.100.

Os estados também podem ter salários mínimos locais e pisos salariais por categoria maiores do que o valor fixado pelo governo federal, desde que não sejam inferiores ao valor do piso nacional.

O novo mínimo altera o valor de cálculo de benefícios previdenciários, sociais e trabalhistas. No caso das aposentadorias e pensões por morte ou auxílio-doença, os valores deverão ser atualizados com base no novo mínimo. O mesmo vale para o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que corresponde a um salário mínimo e é pago a idosos a partir de 65 anos e pessoas com deficiência de baixa renda.

Cálculos das contribuições dos trabalhadores ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também serão reajustados. Uma portaria do Ministério da Economia deverá ser publicada, nos próximos dias, com a oficialização dos novos valores.   

Por: Notícias ao Minuto. 

Serão disponibilizadas 110.925 vagas para o exercício de 2022


© Marcello Casal Jr/ Agência Brasil


O Ministério da Educação (MEC) informou que o número de vagas para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) em 2022 será de 110.925, das quais 66.555 no primeiro semestre e 44.370 no segundo semestre novas vagas.

“Ao todo serão disponibilizadas 110.925 vagas para o exercício de 2022, primeiro ano do Plano Trienal, período de 2022 a 2024, com aporte de R$ 500 milhões no Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies), provenientes do orçamento do Ministério da Educação (MEC)”, informou a pasta.

O Fies é um programa do governo federal destinado à concessão de financiamento a estudantes regularmente matriculados em cursos superiores não gratuitos e com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC. As inscrições para o Fies ocorrem duas vezes por ano, antes do início das aulas em cada semestre.

Para efetuar a inscrição, é necessário que o estudante tenha realizado alguma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) entre os anos de 2010 e 2020.

Além disso, o participante precisa ter notas iguais ou acima de 450 pontos e nota diferente de zero na redação. Outro critério é o da renda familiar mensal, que tem que ser de até três salários mínimos por pessoa.

Por: Notícias ao Minuto.

 


A Prefeitura de Surubim, através da Secretaria de Educação e Cultura, está com inscrições abertas para a Seleção Pública Simplificada para contratação de profissionais. As inscrições seguem até o dia 11 de janeiro de 2022, com vagas para Professor, Auxiliar de Creche, Auxiliar de Educação Especial e Intérprete de Libras.

Entre os requisitos mínimos para a inscrição de todas as funções oferecidas no processo seletivo, é necessário que o(a) candidato(a) esteja em dia com as obrigações eleitorais; esteja apto(a) físico e mental para o exercício das atribuições; preencher os requisitos de formação e experiência contidos no Edital; e outras exigências direcionadas para cada opção.

O Edital e inscrição estão disponíveis no site da prefeitura:  www.surubim.pe.gov.br



A prefeitura de Surubim recebeu hoje do governo de Pernambuco, através de emenda do senador Humberto Costa, mais uma ambulância que vai reforçar e ampliar a capacidade do atendimento à população do nosso município. 

A prefeita Ana Célia reforçou a importância deste equipamento a população. “Este equipamento trará mais eficiência e amplitude de atendimento aos pacientes da nossa rede de saúde. É mais uma arma na luta diária pelo bem estar a população “, destacou


Rutineia Lira.


É natural, ao final do ano, empresas, famílias e amigos reunirem-se para um momento de descontração e comunhão. As confraternizações são sempre vivenciadas com a finalidade de celebrar a amizade e conquistas de mais um ano, porém não podemos esquecer que mesmo em um ambiente descontraído  as normas de etiqueta devem sempre está presente, até porque, a vida segue após esse momento, e sem dúvida, todos precisam viver em harmonia.

Hoje, eu te apresento algumas dicas que certamente auxiliarão você a manter a postura adequada nesse momento tão especial.

1. Utilizar um vestuário adequado, pois não é porque a confraternização será em um ambiente com piscina, por exemplo, que você tenha que vestir roupas muito sexuais.

2. A linguagem deve ser de respeito e amizade, pois a vida vai além desse momento.

3. Sempre em confraternizações há o amigo secreto, e esse momento é o campeão de gafes, portanto, conheça ou se informe sobre o valor limite para a lembrançinha e sobre o gosto da pessoa que você irá presentear. 

4. Evite brincadeiras que possam constranger a pessoa que você dará a lembrançinha. Apenas elogios são aceitáveis. E lembre-se! Elogios respeitosos, sempre!

5. Ao alimentar-se, ponha uma pequena porção em seu prato, caso deseje, você poderá repetir, mas evite pratos com enormes porções, isso não é nada elegante.

6. O momento é de descontração, mas você não precisa comer demais e nem beber demais.

7. Evite levar pratinhos para casa, salvo se todos em comum acordam decidirem levar, até porque estragar alimento, não é o ideal.

Tenho certeza que você deixará se notar pela sua discrição, bons modos e respeito ao ambiente e as pessoas.

Uma excelente confraternização para você!

Por: Rutineia Lira.
Acompanhe nossas dicas em: @elegantetodotempo
Contato: 81. 99609.7641

“A educação como prática de dominação mantém a ingenuidade dos educandos para que se acomodem à opressao.” (1)

Virginia Pignot.

I Introduçao


Este ano do centenário do nascimento do pedagogo e educador Paulo Freire foi marcado por muitas comemorações e atos no Brasil e pelo mundo para lembrar a obra viva do terceito autor  da area das ciências humanas mais citado no mundo. (2)
O professor recebeu 29 titulos de doutor Honoris Causa,  “foi reverenciado pela Unesco, a Organizaçao das Naçoes Unidas para a educaçao, Ciências e Cultura ,com o prêmio Educaçao para a paz, em 1986. ” (3)
Aqui no Brasil, ele ganhou fama em 1963, quando conseguiu alfabetizar em pouco tempo agricultores analfabetos em Angicos, no Rio Grande do Norte, com um método criado por ele, em ação então financiada pelos americanos, no programa “Aliança para o Progresso”. Ele mostrou que não tínhamos modelos adequados para a nossa realidade. “Ele foi o primeiro a pensar em um método educacional voltado para a realidade brasileira”.(4)
Depois desta experiência exitosa ele foi chamado a colaborar com o governo João Goulard. Mas as oligarquias acostumadas a se manter no poder pelo “voto de cabresto”, não apreciaram que a população mais pobre tivesse chance de escapar à dominação. Com o golpe militar que tirou Jango do poder, o educador foi chamado de comunista, foi preso, e depois partiu para o exílio. Vamos ver nesse artigo um pouco da história de vida e da obra deste grande pernambucano festejado no Brasil e no mundo, mas que foi chamado de “energúmeno” pelo atual presidente da República do Brasil.

II Um método educacional voltado para a realidade brasileira


Em 1963, quarenta por cento da população brasileira era analfabeta. O método criado por Paulo Freire parte dos conhecimentos e da realidade vivida pela população alfabetizada na hora de ensiná-las a ler e a escrever, não utiliza livros de alfabetização infantil para adultos. Seu método reforça a utilização do conhecimento prévio dos educandos, diminui a distância entre estes e os educadores, e acaba socializando a educação. Os 300 alunos da experiência de Angicos acederam à alfabetização em 45 dias. Paulo Freire considera e utiliza o conhecimento que as pessoas têm na hora de ensiná-las a ler e a escrever. 
A convite do Presidente Joao Goulart, Freire elaborou um projeto de alfabetização de âmbito nacional, que previa em 1964 a instalação de vinte mil círculos de alfabetização, que deveria alcançar 2 milhões de pessoas. O golpe militar impediu que esse projeto se instalasse. Nos 16 anos de exílio, e após o retorno ao Brasil ele continuou a se dedicar à sua obra. Ele esteve no Chile, foi professor convidado na Universidade de Harvard nos EUA, ensinou e praticou na Universidade de Genebra. “Ele estudou o conteúdo didático, que pode servir de instrumento de opressão, quando se estabelece numa relação entre colonizador e colonizado. Contra a manipulação de uma cultura dominante que pode impor uma prática freando a criatividade do aluno oprimido, Freire propõe o dialogo como canal de libertação da opressão imperante.(2)
Na volta do exílio, Freire ensinou na USP. “Em 1989 ele assumiu a pasta de secretário de Educação da Prefeitura de S. Paulo, sob a gestão de Luiza Erundina, então no PT. Com o apoio de inumeros educadores, promoveu uma mudança radical na educaçao no municipio, transformando-a uma prioridade.”(2)
A professora da USP Maurilane de Souza Biccas lembra que “sua prática de educador e consultor inspirou e tem inspirado inúmeras pesquisas acadêmicas e praticas pedagógicas que são realizadas no Brasil e em vários países do mundo.”(4) Ele lançou mais de trinta livros. A Pedagogia do Oprimido foi traduzido e publicado em mais de vinte idiomas.  “Ele mostrou que não tínhamos modelos adequados para a nossa realidade. Não podemos confundir seu método com a sua obra. Ele foi muito mais que seu método, foi um filósofo e um revolucionário da educação, e por causa desse sucesso ele ficou reconhecido internacionalmente,” diz o professor Italo Francisco Curcio. (4)

III Conclusão: Experiências Freirianas. Reconhecimento e criticas. 


As teorias e método freirianos inspiram experiências pedagógicas variadas e surpreendentes, que vou enumerar sem aprofundar nesse artigo:
Seu método e filosofia de Ensino foram adotadas em países com educação considerada de excelência, como a Finlândia

Projeto de orquestra sem maestro na Rússia, e em outros países.
Experiência de cinema com finalidade pedagógica.
Inspirada por Paulo Freire, a professora Maria Madalena Torres alfabetiza adultos na Ceilândia (D.F.) há mais de trinta anos: “é uma escola de educação popular, na comunidade, mais de dezesseis mil adultos foram alfabetizados”…e por ai vai. 
No entanto, o método do educador nunca foi usado em larga escala no Brasil. Seria difícil aplicar a filosofia de Paulo Freire pela maneira rígida como são construídos os currículos no Brasil. Segundo Erlando Reses a escola tem que seguir o currículo, mas vai depender da forma como o professor trabalha esses conteúdos. Se ele ouve as experiências do aluno, não poda, ele estará aplicando a filosofia freiriana. (4)

Ataques


Segundo Moacir Gadotti, presidente de honra do Instituto Paulo Freire, o alvo da campanha contra Paulo Freire não é só ele: o alvo é o direito à educação pública.
O Instituto Paulo Freire lançou um e-livro em 2020 avaliando a situação: Paulo Freire em tempos de Fake News: “Essa deconstrução tem um endereço, um propósito: atacar o que ele defendia que era uma escola democrática, popular, emancipadora.”(4)
Segundo a professora Maria Madalena “o grande medo é porque a metodologia freiriana esclarece e no capitalismo a classe dominante quer ter todos os lucros e gente que estuda é mais esclarecido.”
As pessoas que criticam Paulo Freire o fazem por desconhecimento ou por interesses escusos. “Nos livros dele só tem coisas boas. Ele diz que educação exige respeito, dialogo, esperança, liberdade, amor. Ser contra ele é ser contra tudo isso.”(4)

Vamos continuar  citando O Correio Braziliense: O Brasil ainda tem 11 milhões de analfabetos, e a educação enfrenta mais um desfio com a crise provocada pela pandemia. Muitos estudantes não conseguiram participar de aulas remotas. O governo economizou com o fechamento das escolas, mas não reverteu em planos de internet e cestas básicas para os alunos, deplora a professora Maria Madalena.

Minha conclusão:  O desgoverno atual prefere atacar um pedagogo genial reconhecido internacionalmente e pacifista brasileiro, do que investir na fundamental educação publica.


Bibliografia


1Pedagogia del Oprimido. Paulo Freire. Edit. Siglo, segunda edicçao, espanha, pag. 70
2 Haroldo Ceravolo Sereza, Fernando Carvall; Paulo Freire: a pedagogia da igualdade Opera Mundi 26-02-2020
3 Edison Veiga; Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo. Opera Mundi, 19-09-2021 
4 Thays Martins; O centenário de Paulo Freire: admirado no mundo, também é vilão da extrema direita, correiobraziliense.com.br, 20-09-21

Por: Virginia Pignot - Cronista e Psiquiatra.
É Pedopsiquiatra em Toulouse, França.
Se apaixonou por política e pelo jornalismo nos últimos anos. 
Natural de Surubim-PE

Malude Maciel.

 

“Itamaracá é uma ilha encantada, ilha de sonho, de luz, de cor. Pedra que canta o amor…”

Com esses belos versos, na canção de 1987: “Férias em Itamaracá”, o cantor e compositor Reginaldo Rossi, saudou sua terra natal com muito carinho e veracidade. Em Tupi Guarani a palavra itamaracá significa “pedra que canta” e a beleza daquela região é realmente encantadora.

A Ilha de Itamaracá é um município brasileiro do Estado de PE. na Região Metropolitana do Recife com área de 67 Km2 separada do continente pelo canal de Santa Cruz, que deu origem ao nome: “Pernambuco”.

Na Feitoria de Itamaracá o administrador Pero Capico, primeiro Governador das Partes do Brasil, construiu em 1516, o primeiro engenho de açúcar da América portuguesa, além de ser o local mais antigo continuadamente habitado do Brasil. Itamaracá foi uma das Capitanias originais posteriormente incorporada à Capitania de Pernambuco.

Os primeiríssimos habitantes seriam náufragos; havendo registros da passagem dos portugueses João Coelho da Porta da Cruz e Duarte Pacheco Pereira, em 1493 e 1498. Em 1526 já havia uma capela dedicada à N.S. da Conceição na Vila Velha, localizada à margem esquerda do Canal da Cruz.

A Fortaleza da Santa Cruz de Itamaracá, mais conhecida como Forte Orange é uma fortificação muito bonita localizada na ilha que atrai muitos visitantes, sendo o maior forte em pedra do Nordeste do país. Foi edificado em 1631 pelas forças neerlandesas quando da ocupação dos holandeses; tendo recebido essa denominação em homenagem à Casa de Orange Nassau referente ao Conde João Maurício de Nassau. Após a capitulação holandesa no Recife, em 1654, o forte foi abandonado e ocupado pelas forças portuguesas que ergueram o atual forte. Porém, atualmente, falta a continuidade na preservação e nos cuidados com a recepção dos turistas.

Do alto da Bela Vista, Jaguaribe, tem-se a mais sensacional paisagem da Ilha de Itamaracá. Imagino a admiração dos colonizadores europeus com tão deslumbrantes panoramas; realmente é de tirar o fôlego, pois se tem uma visão da Coroa do Avião, dos braços de mar contornando a área e do colorido da vegetação nativa com variadas nuances de verde, entre coqueiros, cajueiros, bananeiras e diversas outras fruteiras.

Em matéria de Historia nacional Itamaracá prima com inúmeros fatos de real relevância, como se pode constatar em Vila Velha, umas das mais antigas do Brasil, datada de 1516 que já foi sede da Antiga Capitania Hereditária e tem também uma das igrejas mais antigas do país (1526), possuindo um acervo de histórias e belezas ecológicas. Ali ainda existe a trilha dos holandeses e vestígios arquitetônicos daquela época da colonização.

Com toda riqueza cultural na Ilha ainda se encontra o Projeto Peixe Boi Marinho numa luta para preservá-lo e retirá-lo da lista de animais em extinção. Muito interessante uma visita ao local. Outro  atrativo é o Espaço Lia de Itamaracá com o circuito da Ciranda, como também o engenho São João de 1747 com características arquitetônicas da época. No Pontal da Ilha de Itamaracá ver-se um lindo por do sol numa bela praia paradisíaca, situada na Praia do Sossego.

Tudo isto é um patrimônio histórico de suma importância que precisa ser conhecido dos pernambucanos e brasileiros em geral, pois muita gente nem sabe que existe tamanha raridade de belezas naturais que devem ser mais valorizadas, propagadas nos meios de comunicação e tais locais necessitam de preparação para um turismo ordeiro e edificante não apenas divulgado em território nacional como também no exterior. Essas divisas trazem desenvolvimento e expandem a economia.

Como estamos nesse momento com o pernambucano Ministro Gilson Machado à frente do Ministério do Turismo, acreditamos na sua preocupação em alavancar novos rumos de desenvolvimento ao patrimônio incomparável da Ilha de Itamaracá que merece ser valorizada.


Por: Malude Maciel. 
José Vieira Passos Filho.


O Brasil é um criatório de mosquitos. Suas favelas “autorizadas” pelo poder público são um dos fatores de proliferação do Aedes aegypti. Mas, o mosquito também é criado em todos os ambientes urbanos porque a Saúde Pública não tem recursos suficientes para combater o inseto que se reproduz intensamente num reduzido espaço de tempo. Nos países onde a população é mais instruída e tem uma condição social melhor, há mais controle da população do mosquito e a doença não chega a causar epidemia. 

O Brasil, depois de sofrer grandes flagelos na primeira metade do século XX, tem padecido intensamente nesse início do século XXI. Antes era a dengue, agora também tem a zica viros e a chikungunya, doenças que deixam muitas sequelas. 

Alagoas é grande produtora de um remédio natural que pode minimiza a intensidade dos períodos endêmicos provocados pelo mosquito Aedes aegypti. Que desculpe-me os profissionais de medicina, mas só estou querendo ajudar, pois sou grande defensor do combate de pequenas doenças com remédios naturais: chá de gengibre, com limão e alho, para início de gripes; chá de alface ajuda quem tem pressão alta (não deixar de tomar seu comprimido farmacológico, diário); a pomada milagrosa, feita da própolis vermelha para artrite, artrose, cicatrização, etc. O remédio que estou recomendando é para a população comer inhame. Adiante, transcrevo trecho de um artigo que publiquei em dezembro de 2015, na Tribuna Independente.

Apesar de não termos estudos com comprovação científica, tem-se experimentado, com resultados significativos, uma alimentação a base do INHAME, também chamado de “pão do nordestino”. O tratamento consiste em comer inhame uma vez ao dia. Após a recuperação o doente deve continuar com o tratamento para eliminar os resíduos que ficaram no sangue. Deste modo evita-se uma recaída. O inhame é o alimento medicinal mais eficiente que se conhece, para as mais diversas doenças e deficiências nutricionais do homem. Comer inhame ajuda a limpar as impurezas do sangue, fortalece o sistema imunológico, evita a malária, a dengue e a febre amarela (é rico em vitamina B que é expelida pela pele, sendo assim um repelente ao mosquito).

O inhame aumenta a fertilidade das mulheres. O elixir do inhame é remédio para tratamento da sífilis, baixa o índice glicêmico e reduz a absorção do colesterol. A presença do inhame no sangue neutraliza o agente causador da dengue antes que ele se espalhe pelo sangue. O pão de inhame é alimento saudável e pode ser consumido pelos celíacos, pois não contém glúten. A zona da mata alagoana – o vale do Paraíba – é o grande produtor de inhame do Estado. O inhame é plantado pelo pequeno produtor. Cada tonelada de inhame produzido gera dois empregos diretos. Portanto, aumentar o consumo do inhame minimiza o êxodo rural.

Por: José Vieira Passos Filho - Pres. da Academia Alagoana de Cultura, Sócio Efetivo do Instituto 
Histórico e Geográfico de Alagoas, Sócio Efetivo da Academia 
Maceioense de Letras, Sócio Honorário do SOBRAMES (AL), Sócio 
Efetivo da Comissão Alagoana de Folclore.


A jornalista e escritora Maluma Marques lançou, na noite do último dia 21, dois livros: Perfis de Vencedores e a Coletânea Ampla Visão.  

O lançamento aconteceu no Hotel Reserve, em Surubim, e contou com a presença de escritores, empresários e público em geral. Na ocasião, foi servido um coquetel e também um jantar. A festa foi animada por Alexandre Voz & Violão, que tocou e contou música da MPB. 

O livro Perfis de Vencedores é a compilação da trajetória de luta de pessoas que ascenderam em suas vidas social, cultural e econômica. Trata-se de um trabalho em favor de valores humanos merecedores de aplausos. 

“Com esta edição do livro Perfis de Vencedores não é minha intenção ostentar os nossos homenageados numa passarela com músicas e efeitos luminosos. O que queremos é imortalizar virtudes, trabalho e lição de vida dessas pessoas que colocamos na vitrine dos inesquecíveis”, discursou Maluma Marques. 

Já a Coletânea Ampla Visão é composta por gêneros comuns com aspectos da vivência, conceitos e interação social, o conteúdo traz novidades. Por exemplo, a vida vista como vitória, em meio à pandemia que tomou conta da humanidade. As relações sociais internalizadas permanecem. Trazem a necessidade de se considerar a apropriação da literatura como uma categoria essencialmente relacional, cheia de significados das ações humanas.  

Um dos objetivos do livro é desvendar a preciosidade do íntimo humano e das maneiras de interpretar aquilo que nos rodeia.  

Fato curioso é que a pandemia, que roubou a esperança de grande parte da humanidade, nesse caso serviu como tempo extra para o aprendizado da renovação da fé no futuro. Por isso a produção aumentou. Outro objetivo do projeto é lançar textos de autores em seus mais diversos gêneros. Com isso, cria-se a troca de experiências literárias. 

Os projetos de Maluma têm ultrapassado as fronteiras do Brasil. Escritores de Portugal figuram em seus livros. E não apenas Portugal, como Suíça, França e Estados Unidos. Escritores de vários estados do Brasil também se fazem presentes.









































 


Em todo o mundo as festividades de fim de ano são esperadas. As cidades ganham mais magia com as luzes e enfeites de Natal. Na Capital da Vaquejada não seria diferente. As ruas estão enfeitadas e com um toque todo especial.

Embora as programações ocorram com público limitado, por causa do coronavírus, o encanto da decoração não perde a beleza. A cidade está linda. Aliás, esse capricho é costumeiro na atual gestão de Surubim, comandada pela prefeita Ana Célia Farias. 

E não poderia ser diferente. Localizada no Agreste Setentrional, Surubim é hoje um polo de desenvolvimento e atrai investidores de vários recantos de Pernambuco, tanto na área dos serviços, como na produção. Tudo isso fruto de uma boa política praticada pela gestão municipal. 

Em todo recanto há obras já concluídas e outras em andamento. Na saúde, na educação, na cultura e na infraestrutura, a sociedade está bem servida.

Por ser bem posicionada geograficamente, a cidade tem recebido novas lojas, clínicas e unidade educacionais. Nos últimos anos, a cidade vem se consolidando com o quarto polo do jeans em Pernambuco.

Além disso, Surubim está prestes a conseguir mais uma proeza na área da educação: uma faculdade pública. A luta vem sendo encampada pelo ex-prefeito, Antônio Barros, que aos 91 anos não deixa de trabalhar por sua terra. O projeto conta com o apoio de várias frentes políticas e tem sido pauta na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco.

E é por cada uma dessas conquistas que Surubim continua crescendo como uma terra de oportunidades e esse desenvolvimento traz esperança para seus munícipes.

Por: Maluma Marques.
Maria Teresa Freire - Jornalista, Escritora, Poeta, 
Presidente da AJEB – Coordenadoria do Paraná.


Começo a minha história pelo final. Estranho, não? Como assim, começar pelo final? Então, não é começar. Seria finalizar. Mas, é necessário assim fazer para que faça sentido todo o conteúdo seguinte.

Tenho uma neta famosa. Artista plástica e designer gráfica. Destacou-se na Universidade e ganhou uma bolsa para fazer pós-graduação na área de Artes Gráficas em uma Instituição parisiense, onde também teve excelente desempenho por sua criatividade e habilidade.  Com isso, foi convidada a organizar cursos de extensão e desenvolver projetos para editoras, criando capas e ilustrações para livros. Suas pinturas em óleo sobre enormes telas também chamaram a atenção de galerias na Europa, sendo convidada para expor individualmente e em exposições coletivas. Além de sua extrema competência profissional, é extraordinariamente linda, alta (1,82m), magra e elegante (elogios comuns de avó!) Tudo isso naturalmente, sem esforços ou sacrifícios. É descendente de uma princesa Masaai, tribo do Quênia. Ela é negra. E eu sou branca! Como explicar isso? 

Essa história começou há muitos anos, quando fui para África com uma amiga, que trabalhava em uma empresa de Turismo Ambiental, para participar de um congresso. Sabedora do meu interesse pelo continente africano, ela insistiu que eu a acompanhasse. Tivemos oportunidade de conhecer as lendárias paisagens africanas, especificamente as quenianas e participar de safaris. Naturalmente, o safari estava programado para nós duas. Customizado. 

O guia, um americano charmoso (morenos de olhos castanhos!) cujos pais tinham vindo para a África há alguns anos para desenvolver serviço social voluntário. E aqui Edward Townsed permaneceu mesmo depois que eles voltaram para os EUA. Ed, como era chamado, conhecia o Brasil e havia passado uma temporada no país, na Amazônia e cercanias para conhecer nosso famoso meio ambiente com suas riquezas de flora e fauna e possibilidades de intercâmbio turístico. Até aprendeu um pouco de português. Entretanto, a saudade da savana africana foi mais forte e retornou ao Quênia. 

Enquanto lá estávamos, os safaris se repetiam, logo cedo para ver alguns animais e à noite para acompanhar outros. Até que comentei com Diva (a amiga): “não acha estranho tanto safari?” Ela respondeu: “estranho é você não ter percebido que ele quer estar na sua companhia, não sabe como agir, então inventa desculpas para os safaris!” Surpresa, fiquei pensando sobre o que Diva havia comentado. E para confirmar, recebi convite para jantar naquela noite. Agradável! Companhia e conversa. Homem simpático, educado e sedutor (além de bonito!), diferente do guia alerta que cuidava da nossa segurança. Nos dias seguintes foram almoços, passeios e jantares. E a conexão entre nós se formou forte e com muita atração. 

Até que chegou uma conversa séria. Muito séria. Um pedido de casamento. A justificativa era o amor à primeira vista (sem ser conto de fadas) e um entendimento perfeito entre nós dois. Verdade! Avisei minha família do casamento, mas mesmo assim não houve tempo viável para virem.  O casamento precisava ser rápido; estava grávida. E assim foi  feito.

A gravidez foi tranquila, até o oitavo mês. Ed saia frequentemente para os safaris contratados e às vezes passava dias fora. Eu fui me habituando com suas ausências; tinha como companhia uma moça que cuidava da casa, um garoto para cuidar do jardim e outro da fazenda junto com Ed; às vezes ia com ele para a savana, outras ficava para cuidar dos animais. Entretanto, no ultimo mês meus pé começaram a inchar muito e eu não me sentia bem. Eram os sinais de uma pré-eclâmpsia que tive uns dias antes do parto. Não foi possível salvar a criança. Eu fiquei, para meu desespero, com uma sequela para o resto da vida. Não poderia mais ter filhos. Uma tristeza imensa e sem fim. Mais de um ano para me recuperar. Ed foi perfeito. Deu-me apoio e carinho necessários. Talvez, arrependido de ter estado tão ausente durante minha gravidez e não ter percebido meu estado nas visitas rápidas em casa.

Aquele vazio permaneceu até que encontrei um bebê, uma menina. Abandonada na floresta. Trouxe-a para casa e ao mostrar ao Ed ele explicou-me que provavelmente alguma mulher  teve a criança fora ou antes do casamento arranjado (os casamentos eram arranjados entre as tribos). Ele disse que deveríamos entregar para uma instituição de caridade que cuidasse da adoção. Assustada eu me rebelei!  “Não”, exclamei, “poderíamos adotá-la”!  Ed argumentou que normalmente brancos não adotavam crianças negras (década de 1960), e que a comunidade ‘branca’ que eles frequentavam no Quênia não os aceitaria e muito menos manteriam contato com eles.  Fiquei arrasada com esta atitude preconceituosa. Inconsolável. Ed tentava me acalmar. Clarice, como nós a chamamos, foi sendo cuidada como nossa filha. Eu não me importava com as opiniões do outros. A não ser por uma grande amiga e seu marido, que nos apoiaram incondicionalmente. Quando eu precisei, pouquíssimos me ajudaram. Então, somente a opinião desses poucos eu considerava. 

Foi uma luta muito longa e interminável para se conseguir a adoção. Nesse interim os pais de Ed falecem nos EUA, deixando como herança para ele a fazenda em que moravam, bem próspera, um apartamento e ações. Ed não poderia recusar nada disso até porque nossa fazenda não estava indo tão bem. Conflitos entre as tribos da região retiravam os trabalhadores da fazenda dificultando o trabalho por causa da falta de mão de obra para cuidar de tudo. Além disso, o período das monções havia sido intenso e muito maior, estragando nossa lavoura. Enfim, estávamos em dificuldades para manter nosso sustento. Os safaris que Ed organizava e liderava também haviam diminuído por conta das chuvas intermitentes. Portanto, a notícia da herança chegou na hora certa.       

Fomos para os EUA com a guarda provisória de Clarice. Sempre tínhamos dificuldades com a comprovação de que ela era nossa filha adotiva. Mas Ed conhecia muitas pessoas importantes no Quênia. Além disso, a família dele e também os membros da igreja a qual pertenciam foram unânimes em nos ajudarem. Pensávamos que ficaríamos por algum tempo, mas foi para a vida toda. A fazenda era muito bonita e muito grande com plantação e gado. Seria uma pena vender tudo aquilo pelo qual os pais de Ed trabalharam tanto.  A nossa fazenda no Quênia era um terço desta. Os vizinhos foram muito acolhedores, mesmo achando estranho termos uma filha adotiva negra. A comunidade era tranquila, preocupada com seus afazeres e mais distante dos problemas raciais. Às vezes pensava no meu país, o Brasil, com sua candura racial comparada com a agressividade e violência norte-americana. Minha terra natal estava tão distante de mim, mesmo mantendo contato com a família, que esteve uma vez no Quênia nos visitando. 

Naquela época o preconceito racial era exacerbado na Geórgia e muito intransigente, podendo se transformar em violento, com um casal de brancos adotando uma criança negra. Lutamos com todos os recursos possíveis para matricular Clarice em uma escola razoável. Eu queria que ela fosse para uma Universidade. Aí a luta foi maior ainda. Passei a participar dos movimentos ativistas, pois ansiava por melhores oportunidades para minha filha. Clarice conseguiu entrar no curso de Administração da Universidade de Atlanta, historicamente frequentada por negros. Meu desejo era vê-la formada, não pretendia polemizar sobre os direitos civis. 

Clarice dedicou-se aos estudos e formou-se com louvor. Ajudava o pai a administrar a fazenda e logo outros fazendeiros pediram à ela que os assessorasse na administração das suas fazendas.  Durante o período universitário, ela conheceu um rapaz por quem se apaixonou; tiveram um romance ardente e no ultimo ano ela engravidou, mas conseguiu se formar um pouco antes de nascer o bebê;  e correu tudo muito bem; mais uma menina, Vanessa. O rapaz não quis assumir nenhuma responsabilidade. Não precisou. Nós apoiamos nossa filha e eu fiz todo o possível e impossível para que ela tivesse uma vida digna, respeitada e plena de amor. Felizmente, o trabalho (assessoria administrativa) de Clarice permitia que ela trabalhasse em casa e quando precisasse visitar os clientes eu cuidaria de Vanessa. E dessa forma nossa família seguiu em frente, orgulhosa de suas conquistas. Clarice não ficou sem o amor de um homem. Um fazendeiro que havia se mudado recentemente para a região, contratou os seus serviços de assessoria. Encantou-se, não somente com as qualidades profissionais, mas também por ela. E ele é branco! Ironias do destino, ou a vida a nos mostrar e apresentar pessoas que não se prendem às aparências, aos preconceitos e às regras vazias da sociedade. 

Vanessa é a minha neta que nasceu e viveu em um período de mais facilidades e oportunidades para os negros. Também envolveu-se nas lutas pelos desfavorecidos, participando de campanhas para angariar recursos em prol de entidades sérias que abrigam, orientam e encaminham jovens sem condições de estudo e emprego. Ela tem o apoio e o amor de um advogado que participa de uma das entidades, prestando consultoria jurídica.   Com a nossa proteção, a luta pelo reconhecimento dos direitos civis para todos independente da cor, o apoio de amigos e familiares, fizemos parte de um grupo que, aos poucos, conseguiu mudanças nas leis para que os negros fossem cidadãos respeitados. Se a minha filha alcançou um nível de reconhecimento profissional e pessoal, a minha neta foi além. Projetou-se no mundo das artes e da criação gráfica, em nível internacional, à custa do seu valor e qualidades únicas. 

Esta história começou e terminou pelo fim. Que estranho dizer isso, mas a minha neta Vanessa, foi o fio condutor desse relato de lutas, conquistas, vitórias, perdas, mas de muito amor e solidariedade.

Por: Maria Teresa Freire - Jornalista, Escritora, Poeta, 
Presidente da AJEB – Coordenadoria do Paraná.


 

Depois de muita luta e protestos, os Professores aposentados e Pensionistas de Bom Jardim conseguiram na Justiça a suspensão da Lei que aumentou a carga horário de 150 para 180 horas aulas dos professores ativos e os excluiu das vantagens decorrentes.

A decisão liminar foi publicada na data de hoje, a Prefeitura e a Câmara de Vereadores de Bom Jardim já foram intimadas para cumprir a decisão sob pena de multa no valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais).

Para o advogado dos Professores, o Dr. Alex Fernando, a Justiça foi feita, ainda que momentaneamente, e acrescente que: “O que o Prefeito e os Vereadores fizeram foi uma tremenda injustiça para com os professores aposentados e pensionistas. Acreditamos na Justiça e vamos até o final. Ou todos os professores recebem ou nenhum recebe. Não é o advogado ou o juiz que diz isso: é nossa Constituição Federal! Não é porque o Prefeito e os Vereadores da situação querem que a Constituição será descumprida sem que ninguém se insurja. Ainda existe lei maior e formas de garantir sua aplicação. Não estamos nos tempos dos coronéis”. Concluiu o Advogado.

Com a decisão, a Lei fica sem efeito até decisão final do Juiz ou do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Que essa decisão sirva para encher de esperança e incentivo esses calejados professores.

Com a suspensão da Lei, não só os professores aposentados vencem, como também a obrigatoriedade para os professores da ativa em contribuir por mais sete anos também ficam suspensa.

O advogado Dr. Alex Fernando celebrou, por fim, mais uma conquista da classe trabalhadora do interior pernambucano, em especial os professores de Bom Jardim que além de confiarem na aplicação da Constituição e das Leis, confiaram no seu reconhecido e consolidado trabalho à frente de demandas de grande impacto na sociedade, com reflexos positivos aos que mais precisam.

Parabenizamos os professores pela persistência em busca de uma decisão justa, e também o Poder Judiciário e o Juiz Dr. Hailton.


Marcos Eugênio Welter.

 

Agradeço pelo privilégio de discorrer sobre o tema. Privilégio porque poucas pessoas puderam se emocionar mais do que eu, quando via nossa Bandeira do Brasil ser hasteada no mais alto dos mastros, em vários países em função das conquistas Internacionais de meus filhos Marlon, Maicon e Rodrigo, que para o Brasil conquistaram, dentre outros os títulos de Campeões Sul-Americanos, Campeões Panamericanos e Campeão Mundial de Bicicross. Ao ser hasteada nossa Bandeira no lugar mais alto e ser entoado o Hino Nacional, eu, com a mão no peito, os olhos lacrimejando de emoção, cantava com as cordas vocais e a alma nosso belíssimo Hino Nacional.

Que saudade da minha infância querida, quando, ainda no primário, às sextas-feiras, no Grupo Escolar Rui Barbosa em Joinville, fazíamos a Homenagem Bandeira, ocasião em que nosso pavilhão era hasteado e todos cantávamos o Hino Nacional.

Depois, no tempo em que fazia o Ginásio, (hoje segundo grau), tínhamos, dentre outras matérias, Educação Moral e Cívica, onde consolidávamos nosso respeitoso sentimento de Amor à Pátria Hoje tudo faz parte de um passado, as crianças não aprendem mais a cultuar e honrar nossos símbolos, nossos hinos, nossos heróis.

A Bandeira Nacional, com muito orgulho está sempre no meu carro e também hasteada no meu escritório. Não precisa ser data especial, pois para expressarmos nosso sentimento de amor à nossa querida Pátria, não precisamos olhar no calendário e ver se é 7 de setembro ou Dia da Bandeira.

DADOS HISTORICOS

Um dos mais importantes símbolos das sociedades humanas - A Bandeira-nasceu há muito tempo, a partir de uma necessidade puramente prática. Nos campos de batalha da antiguidade, quando a estratégia de então recomendava que as tropas se dispersassem em diferentes direções, para confundir o inimigo, era necessário que tivessem um ponto de orientação visível, à distância, “um pedaço de pano”, de cores vivas (porque o “pano branco significava “rendição”). Pedaço de pano este amarrado a uma haste. Foi assim, portanto nas guerras, nas batalhas, que surgiram as primeiras bandeiras. Aliás, não só as bandeiras tiveram origem nas guerras, nos confrontos de armas. As próprias letras dos hinos pátrios, dos diversos países da antiguidade que sofreram guerras têm as letras dos seus hinos baseadas na própria guerra.

Os Assírios e Persas foram os primeiros que abriram o desfile das bandeiras na história do mundo. O emblema dos Assírios era uma pomba, embora aquele povo não fosse muito amante da paz. Já os Persas preferiram uma Águia Dourada de Asas Abertas. Os estandartes gregos levavam a figura de algum animal sagrado ou divindade protetora. Os romanos além das bandeiras levavam emblemas chamados de Siena (de Signal).

Em todas as variações, as bandeiras, estandartes e emblemas, havia um sentido comum:Simbolizavam os valores mais caros de cada povo. E comum era também o seu objetivo = levantar o moral dos exércitos, a partir de uma imagem à qual se ligava uma forte paixão afetiva.

E NO BRASIL

A 15 de novembro de 1889, no mesmo dia em que se proclamou a República dos Estados Unidos do Brasil, discutia-se no Parlamento de então, como seria a bandeira nacional. O projeto vencedor foi de autoria de Raimundo Teixeira Mendes, mas o decreto autorizando a criação da bandeira data de 19 de novembro de 1889. O emblema “Ordem e Progresso” foi inspirado no filósofo positivista Augusto Conte. A parte artística foi confiada ao pintor Décio Vizares, e somente em 1908 uma comissão em que figurava entre outros o grande poeta Olavo Bilac, apelou para que se comemorasse condignamente o Pavilhão Nacional. O dia escolhido foi 19 de novembro. Olavo Bilac, para isto muito se empenhou e traduziu em versos os magníficos significados que a bandeira simbolizava dizendo: “Criança, ama com fé e orgulho a terra em que nasceste”.

A cor amarela representa as suas riquezas, representadas pelo ouro e pelos minerais nela existentes. O azul representa a benção que vem lá de cima, da abóboda celeste. O branco ensina aos homens que eles devem manter a pureza do coração, devem ser “Justos e Perfeitos”. E o verde não simboliza somente as matas, mas principalmente a esperança que deve existir no coração de cada um de nós, em dias melhores se não para nós, para nossos filhos e netos e para todos os nossos compatriotas.

A Bandeira está posta para ser honrada. Não para ser manchada por corrupção, mentira, incompetência, engodo, fingimento de democracia. Ela se santificou com o sangue dos que morreram no Paraguai, na Itália. Foi sangue que a purificou. A que foi consagrada no sangue não pode ser manipulada por mãos cheias de lama da decadência da política e da ética.

Todo e qualquer estabelecimento em que esteja hasteado o Pavilhão Nacional deveria primar pela correção, pela justiça, deveria honrar os dizeres “ORDEM E PROGRESSO”.

Bibliografia

DE HOLANDA FERREIRA, Aurélio Buarque - Novo Dicionário da Língua Portuguesa – Editora Nova Fronteira.

Por: Marcos Eugênio Welter.

 










LOJA VERTENTES 

RUA DR EMIDIO CAVALCANTE, 139
CENTRO, VERTENTES-PE
TEL: (81) 3734-1066 / 99486-8151

C.DINIZ PERFUMARIA LTDA (LOJA 2)

AV 29 DE DEZEMBRO, 582
BAIRRO NOVO, SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE
TEL: (81) 9 9423-1153

C.DINIZ PERFUMARIA LTDA (LOJA 1)

RUA CABO OTAVIO ARAGÃO, 108
CENTRO , SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE
TEL: (81)3731-2007 / 99163-3421

ESPAÇO DO REVENDEDOR 

SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE 
RUA DR SILVIO MONTEIRO, 190
CENTRO, SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE
TEL: (81) 3731-1458 / 3731-5758
9 9486-7911 / 9 8814-0946

ESPAÇO DO REVENDEDOR - SURUBIM

RUA AGMENON MAGALHAES, 220
CENTRO, SURUBIM-PE
TEL: (81) 3634-5145 /  9 9163-3821
81 9 9421-6984


LOJA SURUBIM

RUA 15 DE NOVEMBRO, 27
CENTRO, SURUBIM-PE  
TEL: (81) 3634-1653 / 99144-6261

TAQUARITINGA - QUIOSQUE

RUA ALUIZIO SILVINO PEREIRA, S/N
CENTRO, TAQUARITINGA DO NORTE-PE
TEL: 81 99144-8728