MENINOS DE VIDRO EM VERSÕES DIVERSAS

0 Comments


Um livro maravilhoso, ímpar e universal marcará para sempre em conceitos de paz e amor à literatura brasileira. Foi o que escreveu, num rasgo de entusiasmo e encantamento, o escritor Melchiades Montenegro, presidente da Academia Recifense de Letras, após ler os originais de “Meninos de Vidro”, da escritora Luciene Freitas, externando sua disposição em fazer o posfácio do livro a pedido da autora. Fiel às palavras, ele jamais deixaria de exibi-las com esmero. Na sua ótica é preciso muita coragem e competência para reescrever o Gênesis sem cair no lugar comum das doutrinas religiosas que porejam em todos os recantos do nosso planeta. Este também foi sem dúvida o sentimento manifestado pelos leitores ávidos por novidades ao adquirir a obra escrita por Luciene Freitas e iniciar sua leitura.

Presidente e fundador da Academia de Letras do Brasil, psicanalista e especialista em Pesquisa Científica, o escritor Mário Carabajal não se furtou aos comentários, prevendo para esta obra o mesmo título, porém em exibição, no futuro, num salão de cinema. E vai além na conceituação: “Uma história para encantar cientistas e crianças, fascinados pela cosmogênese e aventuras espaciais; linguistas e amantes da literatura; leitores iniciantes e experientes”.
 
E foi assim, num fim de tarde, na Biblioteca Pública Estadual da vizinhança do Parque Treze de Maio, no Recife, que amigos, admiradores e confrades encheram os salões onde, como nos primeiros tempos da locução radiofônica, era anunciada pelos comunicadores uma farta mesa de salgados e docinhos que tanto prazer provocam por aguçar a gulodice. E à mesa não faltou um delicioso bolo de noiva, servido após os comentários verbais dos escritores que compuseram a mesa principal.

Encarregada de preencher as “orelhas” deste livro, com minhas palavras, comentei que Luciene Freitas nos brinda com doze deliciosas criaturas, os “Meninos de Vidro”, para povoar nosso Planeta. E como tudo que Deus faz é perfeito, para entendermos isso basta apurarmos a audição e assim ouvir os sons da nossa alma. Essas angelicais criaturas também receberam os dons e ancoradas na sabedoria divina derramada sobre elas, partiram para desenvolver as funções que lhes cabiam. E tudo começou de uma maneira belíssima, um verdadeiro batismo da natureza, tendo o amor como a célula principal do desenvolvimento humano. Não me canso de dizer, repisar, sem amor não há paz dentro de cada indivíduo, com um detalhe precioso: em qualquer plano, a voz do Universo sempre fala mais Alto.

O lançamento ocorreu em duas cidades, em Recife e Vitória de Santo Antão com a participação do coral Novo Milênio, regido pela maestrina Leny Amorim, que abrilhantou o evento.









You may also like

Nenhum comentário: